GP1

Mundo

Semana de negociações pode definir futuro da relação entre EUA e Rússia

Diplomatas de alto escalão dos dois países tentam chegar a acordo sobre a fronteira da Ucrânia.
Por Estadão Conteúdo

Os EUA disseram a Vladimir Putin para escolher entre o diálogo e o confronto na véspera de uma semana crítica de encontros diplomáticos sobre a Ucrânia, e enquanto as tropas russas continuavam concentradas ao longo de suas fronteiras. Diplomatas de alto escalão dos EUA e da Rússia se reuniram em Genebra neste domingo, 9, e vão continuar suas conversas nesta segunda, 10, para discutir as demandas de Moscou, estabelecidas no mês passado em dois projetos de tratado, um com os EUA e outro com a Otan. Muito de seu conteúdo é considerado inaceitável para Washington e para a aliança, principalmente a promessa de que a Ucrânia nunca será membro da Otan.

A Rússia tem 100 mil soldados posicionados na fronteira com a Ucrânia e um número semelhante deve ser mobilizado em curto prazo, segundo o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken. “Há dois caminhos diante de nós”, disse ele à CNN. “Existe um caminho de diálogo e diplomacia para tentar resolver algumas dessas diferenças e evitar um confronto. O outro caminho é o confronto e consequências em massa para a Rússia, se ela renovar sua agressão à Ucrânia. Estamos prestes a testar a proposição sobre qual caminho o presidente Putin está preparado para seguir.”

Ontem, a Otan alertou Moscou para abandonar sua política externa beligerante e cooperar com o Ocidente ou enfrentar uma aliança militar preparada para o conflito. Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan, disse que o pacto de defesa liderado pelos EUA está preparado para "um novo conflito armado na Europa" caso as negociações fracassem. “Eu conheço a história da Rússia. Durante séculos, eles enfrentaram conflitos com vizinhos”, disse ele ao Financial Times. “(Mas) a Rússia tem uma alternativa: cooperar e trabalhar com a Otan.”

Os dois lados em Genebra serão liderados por negociadores veteranos, a vice-secretária de Estado dos EUA, Wendy Sherman, e seu homólogo russo, Sergei Ryabkov, acompanhados por altos funcionários de seus respectivos departamentos de defesa e militares. Negociadores americanos estão planejando apresentar aos seus colegas russos propostas para discutir posicionamentos de mísseis e amplitudes de exercícios militares na Europa nas negociações desta segunda-feira, de acordo com fontes cientes dos planos. A Casa Branca busca testar Moscou, para aferir se os russos falam sério a respeito de sua intenção de pôr fim à crise da Ucrânia por meio de diplomacia ou fazem exigências impraticáveis como tática de procrastinação ou pretexto para uma nova invasão.

Diálogo é difícil com a Rússia

As negociações em Genebra serão seguidas de uma cúpula especial do Conselho Otan-Rússia, em Bruxelas, na quarta-feira, e uma sessão da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), em Viena, na quinta-feira — chances para os EUA, ao lado de seus aliados e parceiros, enfrentarem a Rússia.

“Nossa intenção é manter um diálogo aberto, sincero e sério a respeito da segurança da Europa, com os russos na mesa de negociação. Queremos ser inclusivos. Não queremos passar por cima de ninguém”, afirmou em entrevista o embaixador americano na OSCE, Michael Carpenter. “Queremos que eles possam colocar todas as suas preocupações sobre a mesa. Mas nos reservamos o direito de colocar todas as nossas preocupações sobre a mesa.”

Os encontros multilaterais na Otan e na OSCE são prioridade para a Casa Branca, que tem garantido regularmente aos seus aliados e parceiros europeus, incluindo a Ucrânia, que não negociará “sobre eles sem eles”. Mas as negociações em Genebra carregam a expectativa de serem mais substantivas e serão assistidas de perto, como um indicador a respeito da possibilidade de haver ou não um acordo diplomático a ser alcançado para evitar uma nova guerra na Europa.

“Da maneira que os russos veem, apenas um ambiente lhes interessa, o bilateral”, afirmou uma autoridade do governo americano especializada em relações com a Rússia que, como outras fontes consultadas pela reportagem, falou sob condição de anonimato por causa da sensibilidade do tema. “O resto, do ponto de vista deles, é decoração.”

Ocidente tem dúvidas sobre as intenções de Putin

Autoridades americanas não estão certas se o presidente russo acredita que este é o momento certo de invadir a Ucrânia novamente e tentar colocar o país de volta sob a esfera russa de influência por meio da força, ou se, ao ameaçar a Ucrânia, ele está se valendo de um estratagema mais nebuloso para arrancar concessões de segurança dos EUA e seus aliados.

Em Genebra, autoridades americanas verão se seus colegas russos enfatizarão exigências que o Kremlin sabe ser inexequíveis — como garantias vinculantes de que a Otan não se expandirá ao leste para incluir a Ucrânia — ou, em vez disso, colocarão o foco em assuntos como mísseis, no qual há espaço para negociação.

“Se os russos aparecerem hoje querendo falar apenas da expansão da Otan, a negociação chegará a um impasse. Acho que os americanos estão preparados para reagir — afirmando que isso não está em discussão”, afirmou Andrea Kendall-Taylor, especialista em Rússia do Centro para uma Nova Segurança Americana. “Mas se os russos quiserem discutir de assuntos convencionais de controle de armas, então haverá negociação — e isso poderia indicar um prospecto de uma possível solução diplomática para a crise."

“Não acho que veremos avanços na próxima semana. Vamos ouvir suas preocupações; eles ouvirão nossas preocupações e veremos se há motivos para progresso ”, disse Blinken. “Mas para fazer um progresso real, é muito difícil ver isso acontecendo quando há uma escalada em curso, quando a Rússia tem uma arma apontada para o chefe da Ucrânia, com 100 mil soldados perto de suas fronteiras, (e) a possibilidade de dobrar isso em muito pouco tempo . Então, se estamos vendo uma desaceleração, se estamos vendo uma redução nas tensões, esse é o tipo de ambiente em que poderíamos fazer um progresso real.”

Custos de uma invasão para a Rússia

Em Genebra, Sherman também listará os custos para a Rússia se prosseguir com uma ação militar na Ucrânia, incluindo amplas sanções financeiras, possivelmente cortando-a do sistema internacional de pagamentos eletrônicos Swift, e limites à capacidade de seus cidadãos de comprar tecnologia ocidental.

De acordo com o New York Times, o presidente do Estado-Maior Conjunto dos Estados Unidos, General Mark Milley, também alertou seu homólogo russo, General Valery Gerasimov, que uma invasão enfrentaria uma longa insurgência, apoiada por armamento americano avançado. Autoridades americanas se recusaram a comentar os relatos de que os mísseis antiaéreos Stinger estavam sendo enviados à Ucrânia em antecipação a essa guerra de guerrilha.

Reduza suas expectativas e, em seguida, reduza-as um pouco mais”, disse Melinda Haring, a vice-diretora do Centro da Eurásia no Conselho do Atlântico. “Observe as demandas de Moscou nas reuniões. Se a Rússia insistir que a Otan não pode se expandir nunca mais, saberemos que Moscou está se preparando para a guerra na Ucrânia, já que esta é uma linha vermelha para o oeste ”.

“A diplomacia desta semana é crítica. A partir de um certo momento, ficou claro que o Ocidente não diria um "não" direto à proposta de Moscou porque havia muito em jogo. A questão era até onde Washington e os europeus estão prontos para ir com as negociações ”, disse ao jornal britânico The Guardian Andrey Baklitskiy, pesquisador sênior do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou.

“Putin poderia voltar e dizer que temos a garantia de que não há admissão iminente da Ucrânia à Otan e temos garantias de que não haverá armas de ataque - aviões de combate, mísseis - ou bases dos EUA na Ucrânia”, disse Rajan Menon, um cientista político da City University of New York. “Mas os russos vão querer um acordo por escrito? Essa é a parte pegajosa.”

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.