GP1

Mundo

Imagens de satélites mostram destruição causada por erupção em Tonga

O vulcão está localizado a cerca de 64 quilômetros ao norte da capital de Tonga, Nuku'alofa.
Por Estadão Conteúdo

As primeiras imagens de satélites divulgadas após a erupção vulcânica em Tonga lembram uma enorme explosão nuclear. Com os serviços de comunicações interrompidos após o rompimento de um cabo subaquático, não se sabia ainda a extensão dos estragos. As fotos, no entanto, demonstram que a nação do Pacífico parece ter evitado o desastre generalizado que muitos temiam inicialmente, mas ilhas próximas ao vulcão parecem ser as mais impactadas.

A explosão do vulcão pode ser ouvida no Alasca, e as ondas atravessaram o oceano para causar um derramamento de óleo e dois afogamentos no Peru. Imagens de satélite capturaram a impressionante erupção do vulcão Hunga Tonga Hunga Ha'apai no sábado, 15, com uma nuvem de cinzas, vapor e gás subindo como um cogumelo gigante acima do Pacífico Sul. O vulcão está localizado a cerca de 64 quilômetros ao norte da capital de Tonga, Nuku'alofa.

Talvez o maior problema seja a cinza que revestiu a ilha principal e a transformou em uma paisagem lunar cinzenta, contaminando a água da chuva que as pessoas dependem para beber. Os militares da Nova Zelândia estão enviando água fresca e outros suprimentos necessários, mas disseram nesta terça-feira, 18, que as cinzas que cobrem a pista principal de Tonga atrasarão o voo pelo menos mais um dia.

Até agora, Tonga registrou três mortes, e as preocupações permanecem com o destino das pessoas em duas ilhas menores que foram duramente atingidas. As comunicações caíram em todos os lugares, tornando as avaliações mais difíceis.

Mas na ilha principal de Tongatapu, pelo menos, a vida está voltando lentamente ao normal. O tsunami que varreu as áreas costeiras após a erupção foi assustador para muitos, mas subiu apenas cerca de 80 centímetros, permitindo que a maioria escapasse.

“Tínhamos sérios temores, dada a magnitude do que vimos naquela explosão sem precedentes”, disse Katie Greenwood, chefe da delegação no Pacífico da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. “Felizmente, nesses grandes centros populacionais não estamos vendo o efeito catastrófico que pensávamos que poderia acontecer, e isso é uma notícia muito boa.”

Greenwood, que vive em Fiji e tem falado com pessoas em Tonga por telefone via satélite, disse que cerca de 50 casas foram destruídas em Tongatapu, mas que ninguém precisou usar abrigos de emergência.

Autoridades humanitárias da ONU e o governo de Tonga relataram “danos infra-estruturais significativos” ao redor de Tongatapu. "Não houve contato do grupo de ilhas Ha'apai e estamos particularmente preocupados com duas pequenas ilhas baixas - Mango e Fonoi - após voos de vigilância que confirmaram danos substanciais à propriedade", disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric.

O Alto Comissariado da Nova Zelândia em Tonga também relatou danos significativos ao longo da costa oeste de Tongatapu, incluindo resorts e áreas à beira-mar.

Como outras nações insulares do Pacífico, Tonga é regularmente exposta aos extremos da natureza, sejam ciclones ou terremotos, tornando as pessoas mais resilientes aos desafios que eles trazem.

De fato, Greenwood disse que Tonga não quer um influxo de trabalhadores humanitários após a erupção. Tonga é um dos poucos lugares restantes no mundo que conseguiu evitar qualquer surto de coronavírus, e as autoridades temem que, se pessoas de fora trouxerem o vírus, isso possa criar um desastre muito maior do que o que já estão enfrentando.

Outra preocupação, disse Greenwood, é que o vulcão possa entrar em erupção novamente. Ela disse que atualmente não há equipamentos de trabalho em torno dele que possam ajudar a prever esse evento.

Casas destruídas e mortos em ilha

Todas as casas em uma das pequenas ilhas externas de Tonga foram destruídas, com três pessoas confirmadas mortas até agora, disse o governo nesta terça-feira em sua primeira atualização desde o desastre.

O gabinete do primeiro-ministro Siaosi Sovaleni disse em comunicado que todas as casas na ilha de Mango, onde vivem cerca de 50 pessoas, foram destruídas, apenas duas casas permaneceram em Fonoifua e a ilha de Namuka sofreu grandes danos.

O vice-chefe da missão de Tonga na Austrália, Curtis Tu'ihalangingie, disse anteriormente que fotos tiradas pela Força de Defesa da Nova Zelândia (NZDF) mostravam cenas "alarmantes" de uma vila destruída em Mango e edifícios desaparecidos na ilha Atata, que é a mais próxima do vulcão.

"As pessoas entram em pânico, correm e se machucam. Possivelmente haverá mais mortes e rezamos para que não seja o caso", disse Tu'ihalangingie à Reuters.

O gabinete de Sovaleni disse que uma mulher de 65 anos na ilha de Mango e um homem de 49 anos na ilha de Nomuka foram mortos, além de uma cidadã britânica cuja morte foi confirmada na segunda-feira. Vários feridos também foram registrados.

A britânica Angela Glover, de 50 anos, foi uma das pessoas que morreu após ser arrastada por uma onda, disse sua família. Nick Eleini disse que o corpo de sua irmã foi encontrado e que seu marido sobreviveu. “Eu entendo que esse terrível acidente aconteceu quando eles tentaram resgatar seus cães”, disse Eleini à Sky News. Ele disse que era o sonho de vida de sua irmã morar no Pacífico Sul e “ela amava sua vida lá”.

Os militares da Nova Zelândia disseram esperar que o aeródromo de Tonga seja aberto na quarta ou quinta-feira. Os militares disseram que consideraram um lançamento aéreo, mas essa “não era a preferência das autoridades tonganesas”.

A Nova Zelândia também enviou um navio da Marinha para Tonga nesta terça-feira com outro planejado para partir no final do dia, e prometeu um inicial de 1 milhão de dólares neozelandeses (US$ 680.000) para os esforços de recuperação. A Austrália enviou um navio da Marinha de Sydney a Brisbane para se preparar para uma missão de apoio, se necessário.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que a China está se preparando para enviar água potável, alimentos, equipamentos de proteção individual e outros suprimentos para Tonga assim que os voos forem retomados.

O Programa Mundial de Alimentos da ONU está explorando como trazer suprimentos de emergência e mais funcionários e recebeu um pedido para restaurar as linhas de comunicação em Tonga, que abriga cerca de 105.000 pessoas, disse Dujarric.

As comunicações com a nação insular são limitadas porque o único cabo subaquático de fibra óptica que conecta Tonga ao resto do mundo provavelmente foi cortado na erupção. A empresa proprietária do cabo disse que os reparos podem levar semanas.

Um segundo cabo submarino que conecta as ilhas dentro de Tonga também parece ter sido cortado, disse Samiuela Fonua, que preside o conselho da Tonga Cable Ltd. No entanto, uma rede telefônica local estava funcionando, permitindo que os tonganeses ligassem uns para os outros. Mas ele disse que a persistente nuvem de cinzas continua dificultando até mesmo as ligações telefônicas via satélite no exterior.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.