GP1

Mundo

Otan assina protocolos de adesão de Finlândia e Suécia à aliança

Pedido de adesão segue agora para os parlamentos nacionais de cada um dos países-membros da aliança.
Por Estadão Conteúdo

Os 30 aliados da Otan assinaram os protocolos de adesão da Finlândia e da Suécia nesta terça-feira, 5, enviando as propostas de adesão das duas nações às capitais da aliança para aprovações legislativas. A medida aumenta ainda mais o isolamento estratégico da Rússia desde a invasão da Ucrânia em fevereiro, e representa uma expansão da influência ocidental em direção ao Leste.

“Este é realmente um momento histórico para a Finlândia, para a Suécia e para a Otan”, disse o secretário-geral da aliança, Jens Stoltenberg.

Os 30 embaixadores e representantes permanentes aprovaram formalmente as decisões da cúpula da Otan da semana passada, quando a aliança tomou a decisão histórica de convidar a vizinha Finlândia e a parceira escandinava Suécia para se juntar à aliança militar.

Apesar do acordo, a efetivação dos novos Estados-membros ainda dependem da aprovação dos pedidos nos Parlamentos de cada um dos países da aliança - e a aprovação na Turquia ainda é um desafio em aberto, apesar da aceitação inicial.

Na semana passada, o líder turco Recep Tayyip Erdogan alertou que Ancara ainda pode bloquear o processo se os dois países não atenderem plenamente exigências da Turquia - Ancara pede há anos para Estocolmo a extradição de ativistas curdos e pessoas próximas ao movimento fundado pelo pregador Fethullah Gülen, acusado pelas autoridades turcas de estimular a tentativa de golpe de Estado de julho de 2016.

Ainda assim, uma recusa da Turquia permanece uma ameaça preocupante, uma vez que a adesão à Otan deve ser formalmente aprovada pelos 30 países, o que implica que cada um possui poder de veto.

Stoltenberg disse que não esperava nenhuma mudança de opinião. “Havia preocupações de segurança que precisavam ser abordadas. E fizemos o que sempre fazemos na Otan. Encontramos um terreno comum.”

Cada nação da aliança tem diferentes desafios legislativos e procedimentos para lidar, e pode levar vários meses para que os dois se tornem membros oficiais.

“Aguardo um rápido processo de ratificação”, disse o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto. A invasão russa da Ucrânia deu maior urgência ao processo. Abrigará as duas nações na aliança militar ocidental e dará à Otan mais influência, especialmente diante da ameaça militar de Moscou.

A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Ann Linde, declarou que a “assinatura dos protocolos de adesão é um passo importante para nossa integração plena. A próxima fase será o processo de ratificação em cada um dos países aliados”.

“Seremos ainda mais fortes e nosso povo ficará ainda mais seguro ao enfrentarmos a maior crise de segurança em décadas”, disse Stoltenberg.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2022 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.