Bom Jesus - PI

Ação pede cassação do registro da candidatura de Cledja Benvindo

A candidata a prefeita de Bom Jesus foi alvo da ação sob acusação de abuso de poder político e econômico.

Thais Guimarães
Teresina
- atualizado

A coligação “Bom Jesus merece o melhor”, que tem à frente o candidato a prefeito de Bom Jesus, Nestor Elvas (MDB), ingressou com Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) nesta quinta-feira (29) em face da candidata Cledja Benvindo (PSDB), pedindo a cassação dos registros de candidatura de Cledja e de seu vice, Lucas Fonseca. O atual prefeito Marcos Elvas também foi citado na ação, onde foi pedida declaração de sua inelegibilidade por oito anos. Todos eles estão sendo acusados de abuso de poder político e econômico.

Na peça inicial, a coligação representada pelo advogado Rodrigo Augusto da Costa argumenta que Cledja Benvindo e Marcos Elvas “abusaram de sua posição de agentes públicos, para realizar promessas específicas (200 casas, auxílio mensal e lanche) a público específico (identificável), com a intenção de arrebatar-lhes o voto”.

  • Foto: DivulgaçãoCledja Moreno BenvindoCledja Moreno Benvindo

Uma das acusações que pesa sobre a chapa de Cledja Benvindo é de que o grupo fez uma promessa específica: pagamento de auxílio de R$ 100,00 às mães de crianças de até quatro anos, que façam parte de família cuja renda mensal seja de até R$ 89,00.

Além disso, segundo a ação, o atual prefeito Marcos Elvas prometeu casas ao mesmo grupo de pessoas. “Além da promessa de auxílio de R$ 100,00 às mães, o investigado Marcos Elvas, na qualidade de prefeito, prometeu casas ao mesmo grupo de pessoas, condicionando a entrega das mesmas à eleição de Cledja Benvindo”.

Diante disso, o advogado da coligação de Nestor Elvas pediu a cassação dos registros de Cledja Benvindo e Lucas Fonseca, que segundo a ação “foram beneficiados diretamente pelo abuso do poder político e econômico”. Também foi pedida a inelegibilidade de todos os investigados, incluindo Marcos Elvas, por oito anos.

Outro lado

Cledja Benvindo e o prefeito Marcos Elvas não foram localizados pelo GP1.