Economia e Negócios

Bancos alertam sobre risco de dominância fiscal no Brasil

Em debate sobre gestão de riscos, executivos defenderam a retomada da agenda de reformas prometida pelo governo.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

O Brasil está em condições piores do que outras economias e o fato de o simples debate quanto ao risco de dominância fiscal assombrá-lo é "muito importante". O País não pode descansar e precisa tocar a agenda de reformas prometida pelo governo Bolsonaro e sua equipe econômica. O alerta foi feito por executivos de bancos brasileiros, durante evento virtual da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), cujo principal objetivo foi debater a gestão de riscos.

Numa situação de dominância fiscal, as ferramentas que o Banco Central tem para controlar o avanço dos preços, entre elas a Selic (a taxa básica de juros), perdem potência e seu uso pode até mesmo provocar o efeito inverso de impulsionar a inflação, dado o impacto que teriam no aumento do custo do endividamento da União.

Tradicional na agenda da entidade, o encontro foi realizado online e ocorre cerca de 20 dias após faíscas no relacionamento entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os bancos.

O coro dos bancos quanto à urgência fiscal no Brasil foi unânime. "Temos uma janela importante no médio prazo com a recuperação gradual (da economia). Não podemos descansar. Precisamos continuar fazendo reformas", disse o diretor financeiro do BTG Pactual, João Marcello Dantas.

"Faço coro na questão fiscal", emendou o diretor executivo de finanças do Itaú Unibanco, Alexsandro Broedel. "Já temos o debate posto. Se a gente corre de fato o risco de dominância fiscal ou não, sem querer concluir que temos esse risco próximo ou não, é algo que, só de se considerar, já é muito importante."

O risco da dominância fiscal, tido como o pior cenário para os economistas, foi antecipado nesta quarta-feira, 18, em reportagem do Estadão/Broadcast. O tema assombra o País em meio à possibilidade de uma segunda onda da covid-19, que já atinge a Europa e os Estados Unidos.

Também pesam o aumento da dívida após o forte esforço fiscal durante a pandemia, os juros básicos em seu nível mais baixo, a despeito de um repique na inflação, e a desconfiança crescente em torno do Brasil - com o governo Bolsonaro à beira de um "populismo fiscal".

Se o País partir para um cenário de dominância fiscal, conforme Broedel, ficará entre o "ruim e o péssimo": "Ou aumento o juro e piora a situação da dívida ou mantém baixo e volta a ter o risco de inflação". Para ele, o fiscal é a grande questão de 2021. "É uma questão complexa, que não tem uma resposta simples e exige coordenação grande entre vários fatores", afirmou.

O CEO do Banco da XP, José Berenguer, espera mais objetividade na agenda de reformas daqui para frente, passadas as eleições municipais. "Na virada deste e no próximo ano, espero um pouco mais de objetividade por parte do Congresso e de políticos em medidas necessárias para termos algum tipo de melhora na trajetória fiscal nos próximos anos", disse, em outro painel do evento da Febraban.

O Brasil vive, segundo ele, um "cenário benigno" após o suporte fiscal feito em meio ao choque pandêmico. Tem, como pano de fundo para o ajuste fiscal, um mundo com abundância em dinheiro. "Não há onde alocar dinheiro. O investidor que vive de renda precisa buscar retornos. A procura por retorno vai fazer com que os mercados de capitais continuem bastante eficientes", afirmou. Para ele, o ruído em torno do tema ambiental no Brasil também afasta investimentos estrangeiros. "A principal questão a ser endereçada no Brasil é a fiscal e ainda a ambiental tem incomodado bastante os tomadores de decisão lá fora."

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pandemia do coronavírus afeta rentabilidade de bancos no Brasil

Projeto de autonomia do Banco Central pode ser alterado pela Câmara

Lucro do Banco do Brasil cai 23,3% no terceiro trimestre

Banco Central diz que pressão sobre a inflação é 'temporária'

Mais conteúdo sobre: