Economia e Negócios

Bandeira tarifária da Aneel fica até 50% mais cara em junho

De acordo com a Aneel, a mudança se deu pelo déficit hídrico ocorrido no ano de 2018, fazendo com que um reposicionamento dos parâmetros fosse necessário.

Brunno Suênio
Teresina

A Agência Nacional e Energia Elétrica – Aneel – aprovou nesta terça-feira (21) uma resolução que estabelece novos valores para as bandeiras tarifárias, que passarão a ser cobrados a partir do dia 1º de junho de 2019.

A notícia não caiu bem no bolso do brasileiro, tendo em vista um aumento substancial de 50% na faixa da bandeira amarela, que antes era cobrada no valor de R$ 1,00 e de 33% para a bandeira vermelha.

De acordo com a Aneel, a mudança se deu pelo déficit hídrico ocorrido no ano de 2018, fazendo com que um reposicionamento dos parâmetros fosse necessário. Com isso, a bandeira amarela passa a vale R$ 1,50 a cada 100 (Kwh). A bandeira vermelha, no patamar 1, custará R$ 4,00 a cada 100 (Kwh), e no patamar 2, R$ 6,00 a cada 100 (Kwh).

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Conta de Energia Conta de Energia

Como funciona a bandeira tarifária da Aneel

Criado pela ANEEL, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. Além disso, esse custo é pago de imediato nas faturas de energia, o que desonera o consumidor do pagamento de juros da taxa Selic sobre o custo da energia nos processos tarifários de reajuste e revisão tarifária.

Mais conteúdo sobre: