Economia e Negócios

Bolsonaro diz que pretende elevar faixa de isenção do IR

Hoje, a faixa de isenção já é próxima desse valor: no IR de 2019, beneficiou quem ganhava até R$ 1.903,98.

Por  Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (2) que pretende elevar, ainda neste ano, a faixa de isenção do Imposto de Renda para atingir trabalhadores que ganham até "próximo de R$ 2 mil" por mês.

Hoje, a faixa de isenção já é próxima desse valor: no IR de 2019, beneficiou quem ganhava até R$ 1.903,98. A mudança, se confirmada, valeria para o IR de 2020.

"Eu gostaria de entregar o meu governo, por exemplo, quem ganhasse até R$ 5 mil ficasse isento do Imposto de Renda. Estou trabalhando para que este ano a gente chegue próximo aos R$ 2 mil. O pessoal pode reclamar: 'só R$ 2 mil, prometeu R$ 5 mil.' Eu prometi R$ 5 mil, espero cumprir até o final do meu mandato", disse o presidente.

No ano passado, o então Ministério da Fazenda (hoje Economia) divulgou cálculo que apontava que, se a isenção para quem ganha até R$ 5 mil fosse aplicada, o governo deixaria de arrecadar R$ 60 bilhões por ano.

Bolsonaro admitiu que a sua proposta gerou "reação" por parte de sua equipe econômica e da Receita Federal, mas disse acreditar que seus "argumentos" serão ouvidos.

Ao elevar a faixa de isenção, o governo reduz o número de pessoas que pagam o Imposto de Renda e, com isso, arrecada menos.

"Tem reação por parte da equipe econômica? Tem, é óbvio que tem. Tem por parte da Receita? Tem. E isso daí em parte eu estou forçando um pouco a barra, mas não vou constranger a equipe econômica, muito menos a Receita Federal. Acredito que os meus argumentos sejam ouvidos por parte deles, apesar de eu não entender de economia", completou o presidente.

Caixa Ecônomica Federal

O presidente voltou a defender que a Caixa Econômica Federal promova cortes de juros do cheque especial, do rotativo do cartão de crédito e de outras carteiras na esteira de uma provável nova redução da taxa básica de juros na próxima semana. Mais cedo, o presidente disse que a taxa (hoje, em 5% ao ano) deve cair para 4,5% ao ano.

"A Caixa está na vanguarda da questão econômica. No vácuo disso, os outros bancos vão diminuir suas taxas de juros. Se não, vão perder rentabilidade", disse Bolsonaro, que aproveitou o momento para reiterar que não há interferência da Presidência da República nas decisões do banco estatal. "Você não pode intervir. O presidente da Caixa indicou seus diretores, vice-diretores, superintendências, e a Caixa tem tudo para dar certo e vem dando certo."

Sobre a agenda do governo no Congresso nos próximos meses, Bolsonaro afirmou que uma reforma tributária completa pode ter difícil aprovação e o Planalto pode recorrer a uma medida menos ambiciosa. "Fiquei 28 anos na Câmara e quando você quer resolver tudo, não resolve nada. Se fizermos uma simplificação tributária, vai ser muito bem vinda", afirmou, sem detalhar as possibilidades da medida.

Bolsonaro afirmou ainda que, apesar de ter tido uma "formação estatizante" durante sua carreira de militar, foi convencido pela agenda econômica liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes. "Assumi e estou cumprindo o compromisso de seguir 90% da agenda do Paulo Guedes", disse o presidente, que também afirmou que gostaria de já ter visto aprovadas tanto a reforma tributária, quanto o pacote anticrime do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

O presidente disse que não tem arrependimentos na condução de seu governo, apesar de reconhecer que pode ter errado em alguns momentos. "Não tivemos momento de crise e, se Deus quiser, não teremos até 2022", disse Bolsonaro, que voltou a destacar como um acerto a composição "técnica" de seu ministério.

Bolsonaro também deixou em aberto a possibilidade de disputar a reeleição em 2022. Quando perguntado sobre seu sonho para o governo, ele respondeu que quer "entregar o Brasil melhor do que peguei para meu sucessor em 2023 ou, quem sabe, em 2027."

Mais conteúdo sobre: