Política

Bolsonaro vai a culto e não responde sobre pasta da Cultura

residente acompanhou culto na Igreja Batista por cerca de 25 minutos, em Brasília.

Por  Estadão Conteúdo

O presidente Jair Bolsonaro acompanhou na manhã deste domingo, 19, um culto da Igreja Batista por cerca de 25 minutos. Ele ficou sentado nas primeiras fileiras no templo, no bairro da Asa Sul, em Brasília, e deixou o local sem falar com a imprensa.

Ao chegar à igreja, Bolsonaro se ajoelhou e recebeu uma bênção do pastor.

Ao deixar o Palácio da Alvorada pela manhã para se dirigir ao culto, o presidente tirou fotos com simpatizantes. Questionado por jornalistas se recriaria o Ministério da Cultura para abrigar a atriz Regina Duarte, não respondeu. Bolsonaro se limitou a lembrar que ontem o Palmeiras foi campeão da Florida Cup. "Palmeiras campeão", disse aos jornalistas.

Para emplacar Regina Duarte na pasta da Cultura, Bolsonaro avalia recriar o Ministério da Cultura, segundo interlocutores do Planalto. A leitura do governo é que o nome da atriz é poderoso demais para assumir apenas uma "secretaria", status atual da pasta que era comandada até sexta-feira, 17, pelo dramaturgo Roberto Alvim. Ele foi demitido do cargo após protagonizar um vídeo com referências ao nazismo.

Encontro. Bolsonaro e Regina Duarte devem se encontrar na segunda-feira, 20, no Rio de Janeiro para tomar uma decisão sobre a entrada da atriz no governo federal. O presidente já tinha agendas marcadas na capital fluminense - às 10h, ele se encontra com o prefeito Marcelo Crivella.

A ideia do governo é levar um nome de peso, reconhecido no meio cultural, para assumir o posto, nos moldes da indicação de Gilberto Gil para o Ministério da Cultura no governo Lula. Caso ela não aceite o convite, uma das opções cotadas é o ator Carlos Vereza.

O presidente Jair Bolsonaro e a atriz Regina Duarte combinaram um encontro no Rio pois querem uma "conversa olho por olho", segundo uma fonte que acompanha as discussões para sucessão no comando da Cultura. A interlocutores, Bolsonaro disse que a atriz pretende entender o que o presidente espera dela, caso aceite o cargo.

Bolsonaro considera que Regina foi "humilde" ao afirmar que não está preparada para comandar a cultura no governo federal. Ele comparou a frase da atriz com as próprias falas, pois já disse não ser o melhor nome a presidente, segundo a mesma fonte. Para Bolsonaro, não é um problema que Regina já tenha feito críticas ao governo, pois todos teriam o direito a divergir.

Mais conteúdo sobre: