Brasil

Carlos Marun diz que falta 40 a 50 votos para aprovar Previdência

Carlos Marun informou que tem entre 260 e 270 votos a favor da Reforma da Previdência, mas para aprovação, 308 deputados precisam apoiar.

Thais Souza
Teresina
- atualizado

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, em entrevista à CBN, informou que tem entre 260 e 270 votos a favor da Reforma da Previdência. Marun disse que o governo ainda não tem os votos necessários por causa de um 'receio eleitoral', mas acredita que vai conseguir o apoio.

Para a aprovação, 308 deputados precisam apoiar a mudança nas aposentadorias. “Faltam de 40 a 50 votos. São votos que nós vamos buscar com o apoio da sociedade. Nesse momento é muito importante a participação da sociedade, porque não existe mais argumentos contra a reforma. O que existe é um certo receio de alguma consequência eleitoral. Isso faz com que a gente ainda não tenha os votos necessários. Esse receio, no entanto, está deixando de existir em função da conscientização da sociedade”, explicou Carlos Marun.

  • Foto: Facebook/Carlos MarunCarlos MarunCarlos Marun

O ministro garantiu que a única moeda de troca será o 'convencimento'. “Vamos trabalhar cerca de 100 parlamentares de partidos da nossa base que ainda se dizem indecisos ou contrários à reforma. Se conseguirmos metade desses indecisos, teremos a vitória”, contou.

Marun voltou a negar que tenha condicionado a liberação de empréstimos de bancos públicos aos governadores que apoiassem as mudanças da Previdência. No início da semana, o ministro disse que os governadores que trouxessem votos para a reforma teriam os financiamentos liberados. O ministro negou a chantagem e afirmou que apenas busca o apoio através do diálogo.

“Eu nunca condicionei e nunca falei que ia condicionar. (...) O que eu falei é que vou querer dialogar com todos os agentes públicos, em especial os que são parceiros do governo, no sentido de tentar despertar neles a necessária responsabilidade. E ter responsabilidade nesse momento como agente público é apoiar a reforma da Previdência”, finalizou Marun.