Economia e Negócios

Com reforma trabalhista, Brasil fecha 12.292 vagas formais em novembro

Com o resultado de novembro, foi interrompida uma série de sete meses seguidos em que as contratações superaram as demissões.

Nayrana Meireles
Teresina
- atualizado

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira (27), o Brasil fechou 12.292 vagas de trabalho com carteira assinada em novembro deste ano. O saldo negativo de novembro interrompe a sequência de sete meses seguidos de geração de empregos formais e decorre de 1.111.798 admissões e de 1.124.090 demissões.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Leonardo mostrando a carteira de trabalho Leonardo mostrando a carteira de trabalho

No mês de novembro, passou a vigorar a nova lei trabalhista, que, entre as mudanças, trouxe a possibilidade de contratos de trabalho intermitente e com jornada parcial. De acordo com o ministério, no mês passado foram contratados 3.067 trabalhadores via contrato intermitente e 231 trabalhadores via contrato parcial.

Com o resultado de novembro, foi interrompida uma série de sete meses seguidos em que as contratações superaram as demissões. O resultado foi o pior desde março de 2017, quando foram fechadas 57.625 vagas. Apesar das demissões, houve melhora frente a novembro de 2016, quando houve 116.747 demissões, e de 2015, quando 130.629 perderam o emprego.

Para o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, o saldo negativo em novembro é "pequeno" e não significa a interrupção na recuperação a economia. " O mês de novembro tem tendência de apresentar saldo negativo no emprego”, afirmou o ministro. “Os resultados da reforma trabalhista serão colhidos em 2018”, garante.

O resultado mensal foi puxado pela indústria da transformação, que fechou 29.006 postos formais em novembro. Também tiveram desempenhos negativos os setores de construção civil (-22.826), agropecuária (-21.761), serviços (-2.972), administração pública (-2.360), indústria extrativa mineral (-1.155) e os serviços de utilidade pública (-814).

O único setor com geração de vagas foi o comércio, que abriu 68.602 novos postos em novembro.

Projeção

O Ministério do Trabalho prevê a criação de 1.781.930 postos formais de trabalho em 2018, considerando crescimento da economia de 3% no ano que vem. Se o avanço do PIB chegar a 3,5%, o desempenho do mercado de trabalho pode ser ainda melhor, com geração de 2.002.945 novas vagas em 2018.