Teresina - PI

Covid-19: Sasc mantém restaurantes populares abertos em Teresina

Antes dos transtornos causados pelo coronavírus, os locais podiam receber pessoas que se alimentavam com a comida no valor de R$ 2,00. Com a mudança, serão distribuídas apenas quentinhas.

Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

A Secretaria de Assistência Social, Trabalhos e Direitos Humanos (SASC) comunicou nesta terça-feira (31) que os restaurantes populares de Teresina serão mantidos abertos durante o período de quarentena do coronavírusCovid-19 –, sendo apenas entregues quentinhas no valor de R$ 2,00.

Por meio de nota, a secretaria disse que mesmo sendo um momento de muita cautela, o funcionamento normal dos restaurantes é importe para a população de Teresina. Com isso, seguem abertos as unidades do centro de Teresina, Restaurante Popular O Betinho, no centro de Teresina e a Cozinha Comunitária, na Universidade Estadual do Piauí (UESPI).

  • Foto: Lucas Dias/GP1Restaurante Popular Restaurante Popular

Anteriormente, as pessoas poderiam comer no próprio local, mas devido a pandemia, serão distribuídas apenas quentinhas.

Confira a nota na íntegra

A Sasc entende que esse é um momento de ter muita cautela, mas, ao mesmo tempo sabe o quão importante é para a população teresinense o funcionamento do Restaurante Popular O Betinho e a Cozinha da Uespi. Por isso, ambos continuam funcionando normalmente, agora com uma nova modalidade de fornecimento de refeições através de quentinhas, para evitar aglomerações.
No Restaurante O Betinho a distribuição das quentinhas está sendo feita pelas duas entradas, Rua Sete de Setembro e Avenida Paissandú. E o Restaurante da UESPI, na porta de acesso principal.
Os cardápios serão mantidos de acordo com as dietas previamente elaboradas pelo setor de Nutrição dos Restaurantes Populares levando em conta, é claro, as medidas preventivas solicitadas pela Organização Mundial de Saúde.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sobe para quatro número de mortes por coronavírus no Piauí

Brasil tem 159 mortes e 4.579 casos confirmados de coronavírus