Esportes

Covid-19: Senado aprova projeto que suspende dívidas de clubes de futebol

Texto também amplia por sete meses o prazo para que as ligas desportivas apresentem e publiquem suas demonstrações financeiras referentes a 2019.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

O Senado aprovou nesta terça-feira o projeto de lei que suspende os pagamentos de dívidas de times no Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro (Profut) durante o período de calamidade pública. O texto voltará para análise da Câmara dos Deputados.

O programa, criado em 2015, renegociou débitos dos clubes e também instituiu regras de governança nas entidades. Pelo texto, os clubes ficarão sem pagar as parcelas de débitos junto à Receita Federal, à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), ao Banco Central (BC) e a outros órgãos.

Pelo seu relatório, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) atendeu sugestão de parlamentares e excluiu o artigo que extinguia regras para o repasse de recursos para assistência social e educacional de atletas e ex-atletas. Ao todo, foram apresentadas 14 propostas de emendas pedindo a exclusão do item.

"Ao encerrar sua carreira, o atleta, mesmo que tenha contribuído para a previdência social, não possui idade suficiente para pleitear sua aposentadoria, tampouco o número mínimo de contribuições para que isso ocorra. Assim, a assistência prestada pelas entidades é fundamental até que esses atletas consigam se reinserir no mercado de trabalho", escreveu.

De acordo com o texto, os recursos que seriam destinados ao pagamento das parcelas deverão ser utilizados para pagar os empregados que recebem até R$ 12.202,12 (duas vezes o teto dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social). Outra sugestão acatada pelo relator condiciona a suspensão das parcelas à manutenção dos empregos desses profissionais.

O texto também amplia por sete meses o prazo para que as ligas desportivas apresentem e publiquem suas demonstrações financeiras referentes a 2019. Pela lei atual, o prazo teria se encerrado em 30 de abril. Ainda autoriza clubes a celebrarem contratos de apenas trinta dias com jogadores.

A proposta ainda faz uma mudança no Estatuto do Torcedor para permitir a interrupção das competições por motivos de surtos, epidemias e pandemias. Durante a votação, o relator incluiu no texto trecho que permite a suspensão das partidas por surtos da covid-19 entre integrantes dos times, com base em dados técnicos e científicos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Senado Federal quer aprovar “Estatuto do Pantanal” até dezembro

Senado Federal vota hoje novo modelo de cobrança de pedágio

Senado Federal aprova ampliação da validade da CNH para 10 anos