Economia e Negócios

Enem deverá custar R$ 537 milhões, afirma Inep

Este é o último ano em que a prova será aplicada totalmente de forma impressa.

Por  Estadão Conteúdo

O Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) de 2019 deve custar R$ 537 milhões, informou na manhã desta quinta-feira, 10, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes. A estimativa é de que o custo por aluno seja de R$ 105,52 por candidato inscrito.

No cálculo, estão incluídos gastos com a impressão, o envio, a aplicação e as despesas com segurança da prova, dentre outros. No ano passado, o custo por aluno foi equivalente a R$ 106,13. Segundo Lopes, o valor efetivamente desembolsado em 2018 está acima do que havia sido divulgado antes de o exame ser aplicado.

Os valores divulgados podem mudar, disse o presidente do Inep. Se a abstenção for alta, disse, os valores podem reduzir. Mas, completou, se houver a necessidade de reaplicação da prova (o que ocorre nos casos em que alunos não podem realizá-la no dia marcado por causas como falta de luz e alagamentos próximo do local do exame), os custos poderão ser mais altos. “Se tivermos que fazer um número de reaplicações maior que o normal, teremos que imprimir mais provas”, explicou.

A edição deste ano conta com 5,1 milhões de inscritos. A maior parte dos candidatos está em São Paulo, Estado que concentra 816.015 candidatos. Neste ano, serão 10.133 locais de provas e 147.565 salas de aula. A prova será feita nos dias 3 e 10 de novembro. O presidente do Inep advertiu que candidatos devem tomar um cuidado redobrado com os aparelhos eletrônicos. Candidatos que deixarem aparelhos ligados, mesmo que guardados apropriadamente e colocados embaixo da carteira, poderão ser desclassificados. Lanches também serão vistoriados.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que provas já foram impressas e metade do material já foi encaminhado para o destino. Ele lembrou que este será o último ano em que a prova será feita totalmente de forma impressa. A partir de 2020, o cronograma prevê uma transição progressiva para a prova digital.

A expectativa, de acordo com o presidente do Inep é de que a migração para a prova digital possa reduzir as abstenções. Lopes observou que a maior parte do custo da prova do Enem é financiada pelo instituto. Dos R$ 537, 7 milhões que devem ser desembolsados para a realização da prova neste ano, R$ 179,7 milhões é proveniente de recursos obtidos com a tax de inscrição.

Mais conteúdo sobre: