Piauí

Extrema pobreza atinge mais de 450 mil pessoas no Piauí, diz IBGE

Os dados do IBGE apontam que 14% da população do estado vivia com rendimento domiciliar per capita mensal inferior a R$ 151, ou US$ 1,9 por dia.

Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (12), a pesquisa Síntese dos Indicadores Sociais (SIS), que tem como principal fonte de informação a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) e apontou que aproximadamente 457 mil pessoas estavam em situação de extrema pobreza no Piauí.

Isso significa que 14% da população do estado vivia com rendimento domiciliar per capita mensal inferior a R$ 151, ou US$ 1,9 por dia, conforme critério adotado pelo Banco Mundial para definir a condição de extrema pobreza.

Os valores referentes à linha de pobreza não podem ser convertidos usando a taxa de câmbio do mercado, mas sim o fator Paridade do Poder de Compra (PPC). O objetivo da pesquisa Síntese dos Indicadores Sociais é observar a disparidade brasileira sob a perspectiva das desigualdades sociais.

Quinto estado com o maior índice

O índice de extrema pobreza do Piauí tem caído desde 2017, ano em que atingiu o maior patamar da série histórica da pesquisa (14,8%). Ainda assim, o estado possui o quinto maior percentual de pessoas nessa condição, atrás do Maranhão (20,4%), do Acre (16,1%), de Alagoas (15%) e do Amazonas (14,4%). O estado com menor proporção de pessoas em extrema pobreza é Santa Catarina (1,5%), considerando os dados de 2019.

No Brasil, a taxa de extrema pobreza é menos que a metade do valor verificado para o Piauí: 6,5% da população do país, enquanto há 14% nessa situação no estado. São 13,6 milhões de pessoas vivendo com menos de R$ 151 por mês no Brasil.

Mais conteúdo sobre: