São João do Piauí - PI

Gil Carlos nega irregularidade e diz que contas foram aprovadas

Na nota de esclarecimento, o prefeito informou que ainda não foi notificado sobre a ação e negou qualquer tipo de irregularidade na sua gestão.

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

O prefeito de São João do Piauí, Gil Carlos (PT) encaminhou ao GP1 nessa quinta-feira (19) uma nota de esclarecimento referente a matéria intitulada “Prefeito Gil Carlos vira réu na Justiça por improbidade” publicada na quarta-feira (18).

A matéria informava que o juiz Mauricio Machado Queiroz Ribeiro recebeu a petição inicial da ação civil de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público do Estado do Piauí e tornou réu o prefeito Gil Carlos, que é acusado efetuar, em atraso, de forma propositada, o recolhimento para o INSS, ocasionando repetidamente o pagamento de encargos moratórios, recaindo indevidamente o ônus, sobre as finanças públicas municipais, quando deveria este ser de responsabilidade do ordenador de despesas.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Gil CarlosGil Carlos

Na nota de esclarecimento, o prefeito informou que ainda não foi notificado sobre a ação e negou qualquer tipo de irregularidade na sua gestão, “fato devidamente atestado quando se observa a aprovação das contas no TCE sem qualquer imputação de débito”.

O prefeito Gil Carlos ainda disse estar confiante que tudo será esclarecido. “Destaca-se ainda que o gestor está confiante que todos os termos alinhados neste processo serão devidamente esclarecidos, com a consequente improcedência da referida ação”, afirmou.

Confira a nota na íntegra:

Sobre matéria divulgada neste Portal de notícias, intitulada "prefeito Gil Carlos vira réu na justiça por improbidade" temos a esclarecer a princípio que nem o prefeito ou sua assessoria jurídica foram notificados formalmente da referida decisão.

Ademais, considerando que a decisão esteja disposta nos autos, nos referidos termos registrados na reportagem, é importante elucidar a inexistência de qualquer ato ilícito cometido pelo gestor, fato devidamente atestado quando se observa a aprovação das contas no TCE sem qualquer imputação de débito.

Destaca-se ainda que o gestor está confiante que todos os termos alinhados neste processo serão devidamente esclarecidos, com a consequente improcedência da referida Ação.