Piauí

Governo do Piauí ainda não possui recursos para pagar 13º salário

O secretário explicou que está sendo realizado um trabalho para conseguir pagar a folha de pagamento, que está sendo colocada como prioridade pelo governo.

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

O secretário estadual de Administração e Previdência, Ricardo Pontes, afirmou nesta quinta-feira (6) que o Governo do Piauí ainda não possui recursos para o pagamento do 13º dos servidores públicos estaduais. Segundo o secretário, o governo tem buscado alternativas para conseguir os recursos.

O secretário explicou que está sendo realizado um trabalho para conseguir pagar a folha de pagamento, que está sendo colocada como prioridade pelo governo. “Estamos torcendo, trabalhando bastante para que tudo dê certo, fizemos um esforço concentrado para aprovar o Refis. E agora se inicia a expectativa de ter essa arrecadação e buscando outras alternativas para pagar o 13º. Estamos finalizando a folha até o dia 14, vamos iniciar o 13º pelo dia 18 e ainda tem a folha de dezembro que iniciamos no fim desse ano. A nossa prioridade número 1 é a folha e estamos juntando os recursos para isso”, explicou em entrevista ao Notícia da Manhã, da TV Cidade Verde.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Secretário de administração Ricardo PontesSecretário de administração Ricardo Pontes

Ricardo Pontes afirmou que o governador Wellington Dias (PT) tem buscado recursos para o pagamento dos servidores. “O governador está sempre indo para Brasília, buscando os recursos que temos direito com a federalização da Cepisa, vendo com o Supremo Tribunal Federal a ação que o Estado entrou para reaver recursos do Fundo do Participação que foram diminuídos pelo governo federal. Também estamos com expectativa de reaver esse recurso neste ano. Todas as alternativas estamos trabalhando, é um trabalho incansável para poder pagar a folha e os compromissos com os nossos fornecedores”, afirmou.

Questionado sobre o fato do Estado do Piauí estar nessa condição, mesmo sendo considerado como um dos estados com a melhor situação financeira do país, conseguindo uma nota B do Tesouro Nacional, o secretário explicou que a arrecadação do Piauí tem diminuído.

“São vários fatores, primeiro é que esse déficit vem se acumulando, a nossa arrecadação é 50% própria e 50% do fundo de participação que tem caído no país inteiro e ainda descobrimos que estavam passando a menos, além disso tem o déficit previdenciário. Para que a população possa entender, o servidor paga entorno de 14% da contribuição para o fundo de participação, e o estado paga o dobro, 28%, além disso entramos com mais R$ 73 milhões para cobrir o déficit, e esse valor poderia ser usado de outra maneira, então são fatores que contribuem para essa nossa situação, mas ainda estamos melhores que a maioria dos estados”, pontuou Ricardo Pontes.