Piauí

Idepi cria comissão para monitoramento de barragens

O objetivo é conhecer a atual situação e elaborar um relatório preliminar que aponte as ações necessárias para, através de manutenções corretivas e/ou preventivas, reparar possíveis danos.

Instituto de Desenvolvimento do Piauí – IDEPI, nomeou (através de portaria) uma comissão para proceder inspeções expedidas nas barragens construídas pelo órgão. O objetivo é conhecer a atual situação e elaborar um relatório preliminar que aponte as ações necessárias para, através de manutenções corretivas e/ou preventivas, reparar possíveis danos e, consequentemente, garantir a funcionalidade técnica e operacional das barragens.

A iniciativa partiu do diretor-geral do órgão, Leonardo Sobral, motivado pela necessidade de criar uma sistemática contínua de controle e acompanhamento geral das barragens assim como viabilizar, junto ao governador, a disponibilidade de recursos que venham garantir a continuidade de um plano de ação com inspeções periódicas e manutenções preventivas e corretivas nas mesmas.

“Estamos com uma equipe técnica formada por engenheiros barragistas, engenheiros civis, geólogos e engenheiros agrimensores para monitoramento permanente dos grandes reservatórios no Estado, principalmente durante o período chuvoso”, destacou Leonardo Sobral, ressaltando que o relatório da Comissão apontará se há ou não a necessidade de reparos e, caso haja, quais ações que deverão ser tomadas pelo órgão".

Leonardo Sobral esclarece que não há nenhum perigo iminente e que as manutenções são preventivas e corretivas, sem nenhum grau de risco alto, conforme avaliações já realizadas pela equipe técnica. Informou ainda que seguirá todas as orientações da Agência Nacional de Águas (ANA), órgão responsável por monitorar as maiores barragens no país.

O engenheiro Gregório Paranaguá, presidente da comissão, destaca que existem, atualmente no estado, 15 barragens construídas pelo IDEPI. Desse total, já foi realizada inspeção em duas delas: Salinas, em São Francisco do Piauí, e Mesa de Pedra, em Valença. Gregório Paranaguá afirma também que estão em execução, inspeção em mais quatro barragens: Bezerro, em José de Freitas; Emparedado e Corredores, em Campo Maior; e Piracuruca, no município que leva o mesmo nome. Nesta última, explica, a inspeção contará com a participação de um representante da ANA.

Para a semana de 03 a 07 de fevereiro, está programada a inspeção na barragem de Algodões II, no município de Curimatá, sul do Estado.

A Comissão tem um prazo de até 180 dias (seis meses) para apresentação do relatório, no entanto, explica Gregório Paranaguá, a equipe está trabalhando para concluir as visitas técnicas de inspeção e emissão de relatório aos diretores em um tempo menor.

Recursos para barragens

A barragem do Bezerro, em José de Freitas, e a do Emparedado, em Campo Maior, já têm disponibilizados recursos para a execução de obras de manutenção. “São recursos do Orçamento da União, aprovados no final do ano passado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional e que deverão ser usados para a recuperação dessas barragens. A execução das obras é de responsabilidade da secretaria de defesa civil do governo do estado”, destacou Leonardo Sobral.

Outra novidade é sobre a barragem de Atalaia, localizada em Corrente, e cujas obras poderão ser concluídas ainda neste ano. De acordo com Leonardo Sobral, o IDEPI conseguiu aprovar a reformulação do plano de trabalho junto à CODEVASF e assim foi possível assegurar o valor de R$ 12 milhões, garantindo os recursos financeiros para execução do empreendimento.