Altos - PI

Mais de 20 presos fugiram da Major César, diz Sinpoljuspi

“Lá não tem reforço da polícia militar, o número de agentes penitenciários é pequeno, são 6 agentes por plantão pra fazer a fiscalização", disse Kleiton Holanda.

Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

O presidente do Sinpoljuspi (Sindicato dos Agentes Penitenciários do Piauí), Kleiton Holanda, entrou em contato com o GP1, nesta segunda-feira (21), para denunciar a fuga de 23 presos da Colônia Agrícola Major César Oliveira, localizada em Altos.

Segundo o sindicalista, a fuga só foi percebida durante uma conferência realizada no domingo (20): “Ontem, por volta do meio-dia, após uma conferência no interior da unidade da Colônia Agrícola Major César Oliveira, constatou-se que 23 detentos haviam fugido da unidade. O dia ao certo da fuga não se sabe informar porque só foi detectado após a conferência”, relatou.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Kleiton HolandaKleiton Holanda

Kleiton explicou que a conferência não é feita com frequência porque não há agentes suficientes: “Ela só é feita quando há uma mobilização de pessoal suficiente para poder adentrar na unidade e conseguir fazer e não tá sendo possível porque, por mais que foram chamados esses 50 agentes, praticamente não chegou nenhum pro plantão”.

“Lá não tem reforço da polícia militar, o número de agentes penitenciários é pequeno, são 6 agentes por plantão pra fazer a fiscalização de mais de 15 hectares de terra que é onde fica a colônia, sem contar que a unidade está com sua infraestrutura precária. A unidade tem capacidade para 200 detentos, e basicamente hoje abriga 535, então, é uma situação difícil a que está passando a Major César Oliveira”, criticou.

O presidente reforçou que o número de servidores não é suficiente: “A gente vem dizendo que não é suficiente, enquanto isso, nós ainda temos 50 agentes formados pela Acadepen que não foram chamados e ainda 166 que estamos lutando para fazer o curso de formação para ingressar no sistema prisional e ajudar nesse controle e nessa fiscalização”, afirmou.

Kleiton criticou ainda o envio de policiais para o Ceará: “Eu deixo a crítica, o Piauí manda policias militares e agentes penitenciários para botar moral nos presídios do Ceará, enquanto que nos presídios do estado sequer tem moral para segurar os detentos que fogem na hora que quer e quando quer, uma situação difícil”, disparou.

Tuberculose

O presidente do Sinpoljuspi relatou ainda que nada foi feito sobre os casos de tuberculose registrados nas unidades prisionais: “A tuberculose continua, não foi feito nada pelas secretarias de Saúde, de Justiça, pela vigilância sanitária. As providencias do estado do Piauí sobre a questão da tuberculose não foram adotadas e os casos continuam aparecendo. Até no local onde fugiram os detentos tem um preso também com tuberculose, no meio dos demais, e a situação só se agrava ainda mais”, declarou.

“Na sexta-feira (18), um detento, na Casa de Detenção de Altos só não morreu porque a família foi fazer um escândalo na frente da Secretaria da Justiça pedindo providência para que o filho dela não morresse dentro da unidade prisional e à noite ele foi levado pra um hospital da capital onde o médico constatou tuberculose em alto grau e o detento acabou ficando internado, quase morto, ainda está vivo, mas ficou internado”, finalizou Kleiton Holanda.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sesapi e Sejus iniciam combate à tuberculose em presídios do Piauí

Dois agentes contraíram tuberculose no Piauí, diz Sinpoljuspi

Sinpoljuspi denuncia surto de tuberculose em penitenciárias do Piauí