Política

Ministério Público pede afastamento do cargo e indisponibilidade de bens da prefeita Socorro Waquim

Na ação o promotor acusa a Prefeita e a secretária de Educação de terem cometidos atos de improbidade administrativa em decorrência do atraso de pagamento dos servidores púbicos mu

COLABORAÇÃO PARA O GP1

 

Imagem: ReproduçãoClique para ampliarPrefeita de Timon Socorro Waquim(Imagem:Reprodução)Prefeita de Timon Socorro Waquim

O promotor de justiça da 4ª Vara de Timon, Eduardo Borges, protocolou, na tarde desta terça-feira (dia 18/01/11), no Fórum de Justiça do Município Desembargador Amarantino Ribeiro Gonçalves, Ação Civil Pública, por ato de Improbidade Administrativa, com pedido de liminar de afastamento provisório das funções públicas e a indisponibilidade de bens, contra a prefeita de Timon, Socorro Waquim e sua irmã, Suely Almeida Mendes, secretária municipal de Educação.

Na ação o promotor acusa a Prefeita e a secretária de Municipal de Educação de terem cometidos atos de improbidade administrativa em decorrência do atraso de pagamento dos servidores púbicos municipais, durante todo o ano de 2010. Ele denuncia as duas gestoras de má gestão dos recursos públicos, ressaltando que não justifica o município de Timon apresentar um quadro caótico com o montante de verbas recebidas.

Além do afastamento provisório dos cargos e da indisponibilidade dos bens da prefeita e da secretária de Educação, o representante do Ministério público pediu busca e apreensão de computadores e outros meios de provas junto a Prefeitura e a Secretaria Municipal de Educação. O juiz Simeão Pereira e Silva, titular da 4° Vara dos Feitos da Fazenda Pública de Timon, é quem vai julgar a Ação do Ministério Público com o pedido de liminar.