Piauí

MP pede que Florentino adote medidas emergenciais no Hospital Infantil

O promotor Eny Marcos afirmou que o Relatório de Inspeção Sanitária de nº 151/2019 apontou várias irregularidades no Hospital Lucídio Portella que estariam comprometendo a qualidade do serviço.

Bárbara Rodrigues
Teresina

O Ministério Público do Estado, por meio do promotor Eny Marcos Vieira Pontes, expediu no dia 4 de outubro recomendação ao secretário estadual de Saúde, Florentino Neto, e ao diretor do Hospital Lucídio Portella, Vinícius Pontes do Nascimento, para que sejam realizadas com urgência melhorias na unidade de saúde.

O promotor Eny Marcos afirmou que o Relatório de Inspeção Sanitária de nº 151/2019 apontou várias irregularidades no Hospital Lucídio Portella, conhecido como Hospital Infantil, que estariam comprometendo a qualidade do serviço prestado e a segurança dos pacientes, necessitando de adequações.

  • Foto: Alef Leão/GP1Florentino NetoFlorentino Neto

O Conselho Regional de Enfermagem do Piauí (COREN) também apresentou relatório de fiscalização, no qual igualmente concluiu pela persistência de irregularidades na UTI da unidade de saúde. O promotor Eny Marcos afirmou que existe a necessidade de "medidas urgentes por parte da gestão, para garantir a segurança dos serviços ofertados para os pacientes".

Na recomendação ele então pediu que em caráter de urgência, no prazo de 15 dias, seja adquirido carro de parada cardiorrespiratória que atenda a demanda. Pediu ainda, em um prazo de 30 dias, que seja garantido o cumprimento do protocolo de identificação do paciente, que seja elaborada rotina escrita da frequência de troca dos equipamentos e dispositivos complementares de infusão venosa, seja realizado o monitoramento das medidas de prevenção e controle de infecções realizado pelos profissionais, implantação de planilha com registro de início de uso e troca do filtro dos ventiladores mecânicos e que seja providenciado o local exclusivo para guarda de materiais e equipamentos de limpeza fora do expurgo.

Já em um prazo de 60 dias ele pede que tenha médico diarista/rotineiro, sendo 1 para cada 10 leitos nos turnos matutino e vespertino, que sejam apresentadas evidências de ações de gerenciamento de risco em parceria com o Núcleo de Segurança do Paciente e que seja apresentada cópia do contrato com o serviço terceirizado de hemodiálise, descrevendo no objeto desse contrato as atividades assistenciais desenvolvidas pela contratada junto aos pacientes em hemodiálise na UTI.

No prazo de 90 dias, ainda é preciso elaborar protocolo para acidentes com perfurocortantes e materiais biológicos e elaborar POP de limpeza e desinfecção dos ventiladores mecânicos.