Cristino Castro - PI

MPF investiga médico Leandro Acioly por acúmulo ilegal de cargos

O procurador explicou que a investigação é com base na Manifestação n.º 20190007536, noticiando a inserção irregular de dados no Cadastro Nacional de Entidades da Saúde,

Bárbara Rodrigues
Teresina
- atualizado

O procurador da República, Anderson Rocha Paiva, do Ministério Público Federal no Piauí, instaurou um inquérito civil com o objetivo de investigar uma denúncia contra o médico Leandro Alves Lino Acioly de Carvalho, por acúmulo ilegal de cargos, após firmar contrato com o Governo Federal para atuar em cidades que ficam em três estados.

Na portaria de nº 07, de 7 de março, o procurador explicou que a investigação é com base na Manifestação n.º 20190007536, noticiando a inserção irregular de dados no Cadastro Nacional de Entidades da Saúde, pela qual o médico Leandro Alves Lino Acioly de Carvalho teria sido contratado no período de outubro 2018 para o Programa Saúde da Família Mutirão de Cristiano Castro.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Ministério Público Federal no Piauí Ministério Público Federal no Piauí

Só que ele teria sido contratado para atuar em dezembro de 2018, “na cidade de Santa Maria do Tocantins e que a distância entre Cristiano Castro e o último município citado é de 1.000 km. E que o Programa PSF é de 40h semanais e o Governo Federal não aceita um mesmo médico inscrito em duas cidades diferentes”.

O procurador Anderson Rocha disse que a situação piorou, pois o médico ainda teria firmado contrato para atuar em uma cidade localizada em Alagoas.

“O profissional em questão firmou contrato para atendimento ambulatorial também com a Prefeitura de Igaci, localizada no estado de Alagoas, e que, portanto, o mesmo médico assinou contrato, como prestador de serviços, em municípios diferentes localizados em entes federativos distintos: Alagoas, Piauí e Tocantins”, destacou o procurador.

Outro lado

Leandro Alves Lino Acioly de Carvalho não foi localizado pelo GP1.