Teresina - PI

Nova sede do Tribunal Regional do Trabalho do Piauí é inaugurada

Além do presidente do Tribunal Regional do Trabalho no Piauí, desembargador Giorgi Alan Machado Araújo, estiveram presentes o presidente do TST, ministro João Batista e o ministro Luiz Philippe.

Wanessa Gommes
Teresina
Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

Inauguração do novo prédio do TRT no Piauí

Foi inaugurada, na noite desta sexta-feira (05), a nova sede da Justiça do Trabalho no Piauí, localizada na Avenida João XXIII, no bairro Noivos, zona leste de Teresina. Além do presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Piauí (TRT-PI), desembargador Giorgi Alan Machado Araújo, estiveram presentes o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro João Batista Brito Pereira, e o ministro Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, também do TST.

O desembargador Giorgi Alan falou da nova estrutura: “Além de termos melhores condições de trabalho, instalações com espaços dos quais a gente não contava, tanto no prédio do fórum como no prédio do TRT, como estão oferecendo aqui para o 1º e 2º graus, e é como eu já disse, que esse projeto pra sociedade leva uma imagem de justiça única”.

Até o final de outubro, o 2º grau já estará funcionando nas novas instalações até o final desse mês e o 1º grau até o final do mês de novembro.

“Todas as metas que eu estabeleci serão cumpridas na minha gestão, porque eu tinha essa obra não como uma obra por si só, mas foi transformada num instrumento de gestão, para otimizar os recursos humanos, recursos orçamentários e físicos e graça a Deus acho que nós vamos lograr êxito em alcançar essas metas até o final do ano”, garantiu o desembargador.

Giorgi destacou ainda que: “Nós vamos já entrar 2019 já com a capacidade de oferecer ao jurisdicionado que é o destinatário final da nossa ação, um serviço de melhor qualidade”.

Questionado sobre quais os atuais desafios da Justiça do Trabalho, o presidente do TRT respondeu: “Eu tenho um viés um pouco particular quanto aos desafios da Justiça do Trabalho, eu entendo que a jurisdição trabalhista não vai acabar então, a forma como essa jurisdição é implementada, isso pra mim, do meu ponto de vista pessoal, é uma questão secundária, cabe a sociedade, dentro dos estados legítimos, discutir qual a forma que quer a legislação trabalhista. Essa relação empregado-empregador não vai deixar de existir, o direito do trabalhador não vai deixar de existir”, enfatizou.

Já o ministro TST, Luiz Philippe Vieira de Mello Filho, destacou a importância de ter um local adequado para atender a quem procura a Justiça do Trabalho: “É importante que a justiça esteja bem instalada, que proporcione aos seus usuários as melhores condições, pois é um local onde as pessoas vêm com suas necessidades, com suas angustias e recebendo-as em um local adequado já é um grande conforto emocional e possibilita também um trabalho realizado com mais serenidade e mais tranquilidade”.

“Eu fico muito feliz, o prédio é belíssimo, as instalações são muito boas. Espero que a Justiça do Trabalho continue com a sua grande atuação no estado e que proporcione aos cidadãos uma segurança, uma tranquilidade”, declarou o ministro.

O magistrado pontou ainda sobre a atuação situação no país: “O Brasil passa por um momento extremamente delicado, viemos de uma reforma trabalhista e ainda não sabemos o futuro do país, mas há a proteção dos direitos sociais e o reconhecimento de que essa justiça trata das desigualdades sociais e uma justiça que deve ter um acesso amplo e restrito àquelas pessoas que a ela recorrem, sobretudo, os mais necessitados”, argumentou.

Para o presidente do TST, João Batista, a inauguração da nova sede é fruto de um sonho: “Eu vejo com muita satisfação, esse prédio é fruto de um sonho de várias administrações do Tribunal Regional do Trabalho da 22ª região, vários presidentes passaram, cada um fez sua parte o quanto pôde, cada um se esforçou para obter o terreno, obter recursos que veio ao longo do tempo com algumas dificuldades orçamentárias, mas sonharam e hoje estão celebrando a realização desse sonho que é se instalar em condições dignas e confortáveis em um edifício muito bonito, que acabou de ser construído já para o tribunal, então é motivo de muita festa”, elogiou.

“Esse prédio vai abrigar o Tribunal Regional e as varas do trabalho de Teresina, o que representa não só o conforto para os magistrados, os servidores e os advogados, todos se beneficiam, mas representa também para economia, porque se concentram todas as unidades neste prédio e deixa se de pagar aluguel, tem toda uma cadeia de vantagem que faz esse prédio ser uma aquisição positiva para todos da comunidade jurídica que fazem a Justiça do Trabalho”, enalteceu.

Constituição Federal

O ministro João Brito lembrou do aniversário da Carta Magna brasileira: “Hoje, 5 de outubro de 2018, nós celebramos os 30 anos da Constituição Federal de 1988 e é uma data que tem muito significado para todos nós. A Justiça do Trabalho se fortalece a cada ano, a cada mês, a cada dia porque é uma justiça que lida com o que há de mais sensível, que é o capital e o trabalho que está sob os homens, a solução dos conflitos entre empregado e empregador. É aqui, na Justiça do Trabalho, que os empregados se socorrem para obter seus direitos que foram negados, que o empregador vem fazer sua defesa e um juiz se decide”.

“Estamos implementando Centros de Conciliação em todas as unidades e aqui também em Teresina, pois a Justiça do Trabalho e as relações de trabalho andam juntas e jamais vão acabar, nós não temos a pretensão de vermos os conflitos acabarem, apenas temos a pretensão de resolvermos com rapidez e eficiência para acudir todos que se socorrem nas nossas instalações”, explanou.