Picos - PI

Operários ameaçam paralisar construção do novo Fórum de Picos

Ameaça foi feita através de nota divulgada pelo Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil de Picos.

Raisa Brito
Chefe de Redação

Argumentando que estão com os salários atrasados e sem receber o décimo terceiro, operários ameaçam paralisar as obras de construção do novo Fórum de Picos. Ao custo de quase nove milhões de reais, o prédio está sendo erguido no bairro DNER e a empresa responsável é a Construtora Dantec, de propriedade do empresário Gerardo Tibúrcio Dantas.

  • Foto: Ascom/TJ-PIObras do novo fórum de Picos podem ser paralisadasObras do novo fórum de Picos podem ser paralisadas

A ameaça de paralisação foi feita através de nota divulgada no último dia 23 de dezembro pelo Sintricompi – Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil de Picos. Inicialmente a expectativa era de que o prédio fosse inaugurado em março de 2018.

Na nota o sindicato alega que depois de esperar por semanas a atualização dos salários e o pagamento do décimo terceiro, os operários da obra do Fórum de Picos foram informados pela Construtora Dantec, que passarão o natal e fim de ano em férias coletivas. Isso sem o pagamento do adiantamento salarial de dezembro e o 13º, que segundo a legislação deveria ter sido efetuado até o último dia 20.

  • Foto: Ascom/TJ-PIAutoridades em visita as obras do novo fórum de PicosAutoridades em visita as obras do novo fórum de Picos

Confira a nota

Operários da Construção Civil de Picos sem salário e 13º nesse natal! Obras do fórum devem parar ou seguir de maneira correta!

Depois de esperar por semanas a atualização dos salários (adiantamento salário que deveria ser pago em 15/12) e o pagamento do 13º, além das cestas básicas de natal (prevista para pagamento até dia 20/12) operários da obra do Fórum da cidade de Picos foram informados pela Construtora DANTEC que passarão o natal e fim de ano, em férias coletivas, sem pagamento do adiantamento salarial de dezembro e do 13º salário.

A informação foi jogada pela empresa nas vésperas do feriado do dia 25 de dezembro. Esses operários não poderão comprar nem mesmo o básico que uma família precisa como o alimento diário e pagar as tarifas diárias como, aluguel, luz e água. A quinzena de dezembro não havia sido paga quando foram informados. Em época de presentes e festividades, crianças e famílias serão afetadas uma vez que os seus pais, sem dinheiro, não terão como comprar nada. “Já se pode imaginar o quanto o natal será triste para estes pais de famílias que trabalham diariamente gerando grandes lucros para esta empresa e têm seus direitos constantemente desrespeitados, desde o início a empresa não cumpre com suas obrigações para com seus trabalhadores, a última conquista foi às eleições da CIPA na marra, e a lei que impera é a da mordaça, reclamou tá demitido”, afirma Thiago Barroso, do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil.

A concessão das férias coletivas prevê que o empregador deverá, com no mínimo 15 (quinze) dias de antecedência, atender às seguintes formalidades: 1. Comunicar o órgão local do Ministério do Trabalho (DRT) o início e o final das férias, especificando, quais setores da empresa abrangidos; 2. Comunicar o Sindicato da categoria da comunicação feita ao MTE; 3. Comunicar a todos os empregados envolvidos no processo, devendo afixar os avisos nos locais/postos de trabalho.

O sindicato não considera válidas as “férias coletivas” sem comunicado ao sindicato e à justiça do trabalho, principalmente por conta dos atrasos nos salários e 13º. Também não é possível compreender porque logo em uma obra de construção de um prédio da Justiça de Direito aqui em Picos, aconteça este descaso com os direitos trabalhistas. O sindicato reivindica que os salários sejam colocados em dias imediatamente e que o 13º seja pago aos trabalhadores, além do cancelamento das demissões por perseguições.

É preciso denunciar também a conduta anti-sindical da empresa que emitiu aviso prévio aos 12 trabalhadores que protestaram devido ao atraso salarial de novembro, que só veio a ser pago após o dia 15 desse mês, ao qual caracteriza claramente perseguição aos trabalhadores que reivindicam seus direitos, além dos cadeados em seus portões que limitam a entrada dos sindicalistas na obra.

Mesmo em meio ao recesso, o Sindicato, que há alguns meses reivindica junto aos órgãos de fiscalização do trabalho, fará a denúncia contra a Construtora Dantec à justiça, ao Ministério Público do Trabalho e órgãos competentes pelo descaso com os direitos trabalhistas da categoria, afirma a direção do sindicato. Que em 2018 os trabalhadores possam ainda mais se unir para lutar a favor da garantia dos seus direitos junto aos patrões e aos governos e seus ataques!

Sintricompi – sindicato dos trabalhadores da indústria da construção civil de Picos

23 de dezembro de 2017.

Mais conteúdo sobre: