Brasil

PF identificou 2.259 mil crimes eleitorais na Operação Eleições 2020

Além disso, a PF lavrou 154 termos circunstanciados e apreendeu mais de R$ 6,3 milhões em bens.

Por  Estadão Conteúdo

Com 4.750 agentes nas ruas para acompanhar as eleições 2020, a Polícia Federal realizou diferentes ações neste domingo, 15, para identificar crimes eleitorais, flagrando derramamento de santinhos, boca de urna e compra de votos. Segundo balanço divulgado pela corporação às 18h30, 36 inquéritos policiais foram abertos, 64 pessoas foram presas em flagrante e 349 foram conduzidas. Além disso, a PF lavrou 154 termos circunstanciados e apreendeu mais de R$ 6,3 milhões em bens.

A Polícia Federal é uma das corporações que integra as ações da Operação Eleições 2020. Segundo informe do Ministério da Justiça, foram identificados mais de 2.259 mil crimes eleitorais no País.

Ao longo do dia, agentes da PF divulgaram imagens e informações sobre operações que flagraram o transporte irregular de eleitores, indícios de compra de votos, realização de ‘boca de urna’ e o derramamento de ‘santinhos’.

No Pará, por exemplo, agentes apreenderam em um veículo que transitava em Santarém, ‘santinhos’, dinheiro e um caderno com lista de nomes e pagamentos que, segundo os investigadores, indicam possível negociação de compra de votos.

Dois eleitores que estavam sendo transportados e dois suspeitos foram conduzidos para a Delegacia de Polícia Federal.

Também houve registro de indícios de compra de votos em Juazeiro do Norte, no Ceará. Neste sábado, a Polícia Federal apreendeu R$ 14.664,00 com um homem que trafegava pelo bairro Frei Damião. O homem estava com R$ 2.950,00 em cédulas de R$ 50, mas após uma busca, agentes encontraram mais R$ 11.109,00 dentro da caixa de fusíveis do veículo.

Já em São Paulo, os drones utilizados pela PF para auxílio nas ações de combate a crimes eleitorais resultaram no flagrante de derramamento de ‘santinhos’ e na prática de boca de urna. O primeiro crime foi registrado na cidade de Presidente Prudente, no interior paulista. Já o segundo ocorreu no litoral do Estado, em São Vicente.

Neste sábado, véspera do pleito, a PF paraense esteve em diversos postos de combustíveis em Marabá para coibir a distribuição gratuita de gasolina.

Agentes dissiparam filas de veículos que aguardavam para ‘o abastecimento com fins eleitorais’, além de apreenderem dezenas de vouchers de vales-combustíveis supostamente fornecido por coligações políticas.

Em um dos postos, por exemplo, foi apurada a existência de um acordo entre determinada coligação e um posto de combustível local, que teria se comprometido a doar 10 mil litros de combustível”, informou a corporação.

A prática também foi flagrada pela PF no Acre, também neste sábado, quando um candidato a prefeito e um membro de um diretório municipal de Cruzeiro do Sul foram presos em flagrante por darem combustível e dinheiro a eleitores com o intuito de obter votos.

Mais conteúdo sobre: