Teresina - PI

Piauí registra dois casos de importunação sexual durante o carnaval

Conforme a delegada Anamelka Cadena, as ocorrências de importunação sexual aconteceram nas cidades de Guadalupe e Piracuruca.

Carolina Dias
Teresina
- atualizado

A Secretaria de Segurança Pública informou na manhã desta sexta-feira (28) que o Piauí registrou somente dois casos de denúncia contra importunação sexual em todo o estado. Os casos aconteceram nas cidades de Guadalupe e Piracuruca.

De acordo com a subsecretária de Segurança Pública, delegada Anamelka Cadena, uma equipe da secretaria estava distribuindo adesivos da campanha "Abusa não, o corpo é meu, decido eu" e isso pode ter influenciado para a redução nos casos de assédio. Policiais da Força Tática acompanharam a equipe para agir em ações pontuais de assédio.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Delegada Anamelka CadenaDelegada Anamelka Cadena

“Falamos com quem a gente conseguia sobre práticas que estão no entorno dessas condutas de violência sexual e em como buscar o apoio policial. A gente estava com reforço policial em todos os locais com concentração maior de pessoas, nos bloquinhos. A equipe da SSP conseguiu visitar os locais, conseguimos difundir essa campanha, ter o contato, conversar e percebemos que outras instituições também estavam participando ativamente dessa difusão de forma preventiva para evitar práticas de importunação sexual”, pontuou a delegada.

Conforme a delegada Anamelka Cadena, as ocorrências de importunação sexual aconteceram em Guadalupe e Piracuruca. Na Capital não foram registradas denúncias e a delegada associa os bons resultados as diversas campanhas de conscientização e cita a Campanha “Não é Não”, que estava distribuindo tatuagens temporárias nos blocos.

“A gente acredita muito que a imersão educativa, preventiva, que foi desenvolvida por essas campanhas, como a nossa, a “Não é Não”, que a gente teve esse contato direto com a população, possibilitou um carnaval tranquilo e com mais respeito”, finalizou Anamelka Cadena.

Campanha Não é Não Piauí

A Campanha nacional contra assédio nos blocos de rua durante o carnaval, Não é Não, chega ao final da temporada no Piauí. Foram 24 blocos contemplados com a distribuição e aplicação das tatuagens temporárias.

Em entrevista ao GP1,a jornalista Luana Sena, uma das embaixadoras da Campanha em Teresina, contou que foram mais de 5 mil tatuagens aplicadas.

  • Foto: DivulgaçãoCampanha pretende conscientizar homens e mulheres sobre assédio no CarnavalCampanha pretende conscientizar homens e mulheres sobre assédio no Carnaval

“Como foi nosso primeiro ano, a gente chegou mais timidez. Nossa campanha de financiamento coletivo arrecadou dinheiro para a produção de 3.500 tatuagens, mas houve uma parceria do Não é Não nacional com algumas empresas e a gente acabou ganhando mais 3 mil tatuagens para distribuir gratuitamente. Foram 6.500 tatuagens recebemos. E há uma estimativa de que a gente tenha distribuído 5 mil tatuagens durante pré-carnaval e o carnaval de Teresina”, disse Luana Sena.

De acordo com a jornalista, o objetivo central da campanha é promover o debate sobre assédio, é trabalhar a conscientização de homens e mulheres a respeito de algo que é cotidiano na vida das mulheres.

“Nosso objetivo é uma reeducação, é levar o debate, a discussão, o esclarecimento sobre diferenciar assédio e paquera. Queremos construir uma rede feminina de identificação. Que as mulheres olhem pra tatuagem na pele uma da outra e se identifiquem, se reconheçam enquanto mulheres e criem uma rede de segurança entre elas. Não temos o objetivo de mudar o mundo e nem de acabar com todo o machismo e opressão do mundo. É um trabalho de formiguinha e que a gente vai sentir mais pra frente as consequências”, finalizou Luana Sena