Polícia

Polícia abre inquérito para apurar discussão política em Jardim do Mulato 

O delegado Otony Nogueira deu início à investigação após o registro de um boletim de ocorrência registrado pelo motorista do prefeito Airton Veloso (PT).

Brunno Suênio
Teresina

O delegado titular de Amarante, Otony Nogueira, instaurou inquérito policial para apurar situação ocorrida no último sábado (07) em Jardim do Mulato, envolvendo o vereador do município, Bruno José Alves Rodrigues Mota, mais conhecido como Diego (MDB).

Em entrevista ao GP1, o delegado informou que deu início à investigação após o registro de um boletim de ocorrência registrado pelo motorista do prefeito Airton Veloso (PT), identificado como Claerton Nunes da Costa, que procurou a sede da delegacia de Água Branca, na noite do sábado (07), para comunicar que o vereador Diego, que é policial civil no estado do estado de Pernambuco, havia efetuado tiros em via pública.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Delegado Otony NogueiraDelegado Otony Nogueira

“Segundo consta no boletim, o vereador teria tentado jogar o carro contra algumas pessoas da parte do prefeito e contra o próprio prefeito e ainda, segundo consta no boletim de ocorrência, o vereador teria efetuado disparos de arma de fogo. Então uma testemunha e também vítima foi fazer o boletim de ocorrência. A Polícia Militar conduziu o vereador [para a delegacia], que também é policial civil, motivo pelo qual ele estava armado. A partir daí, a gente começou a fazer os levantamentos devidos, de posse do B.O e do depoimento do vereador, que disse que andava armado porque era policial civil de Pernambuco”, disse o delegado.

O titular do inquérito ressaltou que terá o prazo de 30 dias para apurar se foram constatados os crimes de ameaça e disparos de arma de fogo em via pública relatados no Boletim de Ocorrência e ratificados pelo prefeito de Jardim do Mulato, Airton Veloso.

“O prefeito será ouvido dentro do inquérito policial como testemunha e também vítima, porque o B.O já foi feito e a gente não precisa de dois B.Os sobre o mesmo caso, basta o noticiante registrar a ocorrência. Então, o prefeito será ouvido dentro do inquérito que está começando. Como ele disse que se sentiu ameaçado, ele será ouvido como vítima, depois a gente pega testemunhas que estariam no local, mas que não seriam exatamente vítimas. Tudo tem que ser analisado com cuidado, a gente vai puxar o fio da meada e chegar à conclusão do que realmente houve no local e encaminhar à Justiça, que pode ter sua decisão diferente ou acompanhar a polícia”, concluiu o delegado Otony Nogueira.

O que diz o vereador

Em entrevista concedida ao GP1 nesta quinta-feira (12), o vereador Diego negou as acusações que constam no Boletim de Ocorrência, e enfatizou que o prefeito Airton Veloso estaria faltando com a verdade.

De acordo com parlamentar, o prefeito Airton teria ordenado que seu motorista, Claerton Nunes da Costa, registrasse um Boletim de Ocorrência sobre circunstâncias que não ocorreram. “Claerton Nunes da Costa é funcionário da prefeitura, contratado pelo prefeito, ele tem um contrato com a prefeitura, de motorista. Ele afirma que eu estava com uma pistola em punho, sempre apontando em direção ao grupo político que estava em passeata, não foi provado isso, eu tenho testemunhas. Tudo que o prefeito falou não confere com a verdade, porque não teve nada com ele, o seu Claerton é quem foi lá, o prefeito não está nem nomeando o B.O. na ocorrência. Não tem o prefeito nem como envolvido no B.O”, enfatizou.

O vereador explicou que chegou a ser conduzido até a delegacia de Água Branca, onde assinou um termo de compromisso, segundo ele, apenas por estar fiscalizando as ações do prefeito, e não por ter atirado em via pública.

“Eu sou vereador do município e assumi o papel de fiscalizar o prefeito, e fiscalizando o prefeito eu faço denúncias contra a administração para o povo. Resumindo, eu não disparei nada, só assinei um termo de compromisso, ninguém ficou preso. Ele [Claerton] foi embora zangado, porque ele queria que eu ficasse preso. Quer dizer que esse prefeito pegou tiro, foi perseguido, sofreu nas mãos desse vereador e não foi na delegacia? Não fez B.O? A história é mentira, o prefeito colocou um funcionário dele para ir para a delegacia mentir e na imprensa ele [prefeito] mentiu”, colocou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Vereador é conduzido a delegacia suspeito de realizar disparos em Jardim do Mulato

Vereador Diego nega que tenha efetuado disparos em Jardim do Mulato