Teresina - PI

Polícia conclui que cadela de Thanandra Sarapatinhas não morreu envenenada

Durante as investigações realizadas para a conclusão do inquérito, nenhuma substância que pudesse matar a cadela foi encontrada em seu estomago.

Davi Fernandes
Teresina
- atualizado

O inquérito policial referente a investigação contra a acusada de envenenar uma cadela da vereadora eleita Thanandra Sarapatinhas (Patriota), em agosto deste ano, foi concluído sem indiciamento nesta quarta-feira (18) pela Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente da Polícia Civil do Piauí.

De acordo com a Polícia Civil, a tutora do animal apontou a acusada, que é sua vizinha, como a autora do crime. Durante as investigações realizadas para a conclusão do inquérito, foram apreendidos venenos na casa da suspeita, porém, nenhuma substância que pudesse matar a cadela foi encontrada em seu estômago.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Acusada sendo presaAcusada sendo presa

Com o levantamento realizado pela Polícia Civil, foi concluído que a causa da morte do animal não foi envenenamento e por isso, o inquérito foi encaminhado à Justiça sem indiciamento.

Entenda o caso

A acusada foi presa em sua residência na tarde de 21 de agosto deste ano por policiais da Delegacia de Proteção do Meio Ambiente (DPMA) na Usina Santana, situada na zona sudeste de Teresina.

Em entrevista ao GP1, a delegada Edenilza Viana, explicou que a prisão da suspeita é em relação a morte de um cachorro no mês de julho, que ocorreu no abrigo de uma estudante de medicina veterinária, que é vizinha da acusada. A titular da delegacia pediu o mandado de busca e apreensão, que foi somente deferido pela Justiça.

Ainda segundo a delegada Edenilza, os policiais da DPMA conseguiram apurar que a vizinha possui desavenças com a estudante e por isso acaba sendo a principal acusada.