Teresina - PI

Policiais do 11º DP de Teresina estão sem água para beber

O GP1 foi até a delegacia de polícia para apurar os fatos denunciados e constatou que a situação vai além da falta de fornecimento de água.

Débora Dayllin
Teresina
- atualizado

O GP1 recebeu uma denúncia, na tarde desta quarta-feira (20), sobre a falta de água potável para consumo dos policiais no 11º DP, que fica localizado no bairro Piçarreira, zona leste de Teresina.

  • Foto: Débora Dayllin/GP1Galões secos, demonstrando a falta de água no 11º DP de Teresina Galões secos, demonstrando a falta de água no 11º DP de Teresina

Os fatos narrados na denúncia foram constatados pela reportagem, e veja só, a situação vai além da falta de fornecimento de água para consumo próprio. A delegacia, que atende em média 5 mil pessoas por mês, entre denúncias e audiências, no momento, está com apenas uma viatura para atender toda demanda. De acordo com a denúncia, a única viatura à disposição dos policiais está sempre na oficina com problemas mecânicos, o que dificulta o trabalho dos investigadores.

  • Foto: Lucas Dias/GP111º DP na Piçarreira11º DP na Piçarreira

O GP1 constatou que desde dezembro do ano de 2016, a delegacia enfrenta dificuldades no que tange a falta de água para o consumo dos policiais e da população que procura o DP. Segundo relatos, o problema ocorre com mais frequência nessa época do ano. Os repasses da água mineral estavam ocorrendo de forma regular, porém, desde a semana passada não estão acontecendo.

Um policial, que preferiu não se identificar, contou que a população também reclama da situação. “O pior é quando as pessoas chegam aqui e pedem água para beber, e a gente responde que não tem, eles ficam com raiva, achando que estamos negando um copo de água, mas não tem nem para a gente, muitas vezes trazemos de casa, ou compramos, nós mesmos, aqui perto, porque não tem como ir comprar em outro local, porque não tem carro”, relatou.

O que diz o Secretário de Segurança Pública

Em entrevista ao GP1, na tarde desta quarta-feira (20), o Secretário de Segurança Pública, Fábio Abreu, informou que não iria entrar em detalhes sobre o fato: “não vou entrar em detalhes em um comentário [denúncia] desses, porque não é verdade e é um problema muito pequeno. Peço que você entre em contato com o capitão Audivan Nunes, pois é ele quem responde por essa parte”, respondeu.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Secretário Fabio Abreu Secretário Fabio Abreu

Sinpolpi

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Piauí, Constantino Júnior, falou que já está ciente da denúncia sobre a água e solicitou ao delegado geral da Polícia Civil, Riedel Batista, que solucione o impasse. “Isso já vem de algum tempo, não é a primeira vez que recebemos denúncia desse tipo. Eu já entrei em contato e solicitei que o delegado geral resolva a situação o mais rápido possível, porque é um absurdo essa questão da água, policiais ficarem 24 horas trabalhando sem beber água, porque não recebem o suprimento, absurdo terem que comprar ou trazer de casa, sendo que é o mínimo que o ambiente de trabalho tem que fornecer”, afirmou Constantino.

  • Foto: GP1Constantino Júnior, presidente do SinpolpiConstantino Júnior, presidente do Sinpolpi

A reportagem entrou em contato com o capitão Audivan Nunes, citado pelo secretário Fábio Abreu, mas até a publicação da matéria ele não foi localizado para comentar a denúncia. O GP1 continua aberto para esclarecimentos.