Marcos Parente - PI

Procuradora acusa prefeito Pedro Nunes de perseguição

“Eu sou alvo de inúmeras perseguições, de pessoas utilizadas pelo prefeito, isso porque eu me neguei a fazer parte de esquema de desvio de recursos e licitação”, denunciou a procuradora Lara da Rocha.

Wanessa Gommes
Teresina
Bárbara Rodrigues
Teresina
Andressa Martins
Teresina
- atualizado

A procuradora do município de Marcos Parente, Lara da Rocha Alencar Bezerra, entrou em contato com o GP1, nesta terça-feira (15), para denunciar o prefeito do município, Pedro Nunes, por perseguição funcional. Ela também denunciou o procurador geral Anselmo Alves de Sousa.

Segundo a procuradora, ela está sendo perseguida por não ter aceitado participar de esquema de corrupção. “Eu sou procuradora efetiva e fui primeiro lugar no concurso que foi feito em 2016 e tomei posse em 2017 como procuradora municipal em Marcos Parente, no dia 7 de março. Desde então eu sou alvo de inúmeras perseguições, de pessoas utilizadas pelo prefeito, isso porque eu me neguei a fazer parte de esquema de fraudes em licitação”, denunciou.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Prefeito de Marcos Parente, Pedro Nunes esteve presente na APPM Prefeito de Marcos Parente, Pedro Nunes

Ela também denunciou o procurador geral do município. “Eu fui surpreendida na semana passada com um memorando do procurador geral Anselmo Alves, que não fez concurso, e pretende tirar toda a minha competência de representação judicial, me acusando de determinados crimes contra o erário, que não cometi e sem nenhuma prova. Por causa disso, eu pedi a cassação do prefeito na Câmara”, afirmou.

“Eu já fui ao Ministério Público e fiz denúncia por crime de responsabilidade. Por meio de uma denúncia minha existe um inquérito policial que apura fraudes em licitação. Eu não sou uma pessoa que gosta de exposição, eu nunca fui à Câmara falar sobre o prefeito, mas na quinta-feira passada eu fui pedir a cassação dele por descumprimento de ordem judicial e por tentar atrapalhar o exercício do meu cargo, que é essencial para administração pública, pois nenhuma prefeitura sobrevive sem um advogado público admitido por concurso”, explicou.

Lara contou que os assédios são tão ferozes que já chegou a ficar trancada na prefeitura. “Eu quero deixar claro que já fiquei trancada na prefeitura, por várias vezes, quando todos os meus colegas iam almoçar, inclusive no dia do meu aniversário neste ano, a minha avó fez um almoço, meus familiares que aguardavam para comemoração e eu fiquei trancada no prédio da prefeitura, esperando todo mundo voltar para eu poder ir almoçar. Resultado: a minha família comemorou o meu aniversário sem mim, porque eu fiquei trancada”, ressaltou.

Ainda de acordo com a procuradora, ela já fez denúncia contra a administração do prefeito. “Eu já tive em Guadalupe fazendo denúncia a respeito de inúmeras irregularidades que eu encontrei na Comissão de Licitação, dentre elas a informação de que advogados que não fazem parte do quadro da prefeitura, já que a única efetiva sou eu, atestam regularidades em procedimentos licitatórios, mas a documentação que eles atestam regularidade, simplesmente não existe”, declarou.

Para a procuradora, "se a mídia não mostrar o que está acontecendo aqui, todos os esforços para o cumprimento da lei e de ordem judicial serão em vão. Eu não vou conseguir a resposta que atende ao interesse público, esperamos que a Câmara de Vereadores tome uma atitude e coloque o pedido em pauta o quanto antes."

Outro lado

Procurado pelo GP1 na tarde desta quarta-feira (16) o secretário de Administração Jocilan Brito informou que o prefeito Pedro Nunes está viajando e repassou o contato do secretário de finanças Gláucio Torres, que não foi localizado. O filho do prefeito, Pedro Júnior, não atendeu às ligações.

Mais conteúdo sobre: