Piauí

Promotora instaura inquérito civil para investigar Uninassau

O órgão ministerial vai investigar supostas irregularidades, mais precisamente a falta de acessibilidade nos prédios da instituição de ensino em Teresina.

Thais Guimarães
Teresina

O Ministério Público do Piauí, por meio da promotora Myrian Lago, instaurou inquérito civil no dia 11 de setembro contra o Centro Universitário Mauricio de Nassau (Uninassau), a fim de investigar supostas irregularidades, mais precisamente a falta de acessibilidade nos prédios da instituição de ensino em Teresina.

Em 2019, a 28ª Promotoria de Justiça de Teresina abriu procedimento preparatório de inquérito civil para apurar informações recebidas, de que a faculdade Uninassau não estava dispondo de acessibilidade em seus prédios.

Foi acrescentado aos autos do procedimento preparatório o Parecer Técnico N° 143/2019, da Coordenadoria de Perícias e Pareceres Técnicos do Ministério Público. Esse parecer concluiu que a faculdade não atende as normas de acessibilidade.

“Os estacionamentos não possuem vagas demarcadas para pessoas com deficiência e pessoas idosas, bem como a circulação externa é comprometida por inclinações excessivas e desníveis", diz um trecho do parecer anexado na portaria de instauração do inquérito civil.

Diante disso, a promotora Myrian Lago decidiu instaurar o inquérito civil contra a Uninassau, a fim de dar continuidade a apuração dos fatos investigados.

Outro lado

A administração da Uninassau não foi localizada pelo GP1.