Teresina - PI

Servidor denuncia irregularidades no Hospital de Urgência de Teresina

A assessoria de comunicação do HUT informou, através de nota, ue o estoque de medicamentos e alimentos está normal.

Wanessa Gommes
Teresina
- atualizado

O GP1 recebeu, nesta quarta-feira (17), denúncia de várias irregularidades ocorridas no âmbito do Hospital de Urgência de Teresina (HUT), que atualmente tem como diretora, a enfermeira Clara Leal. As denúncias vão desde falta de medicamentos e materiais até roupa de cama suja.

De acordo com um servidor, que preferiu não se identificar, há um descaso por parte da direção. “Falta medicação, alimentação, lençol, cirurgias já foram canceladas várias vezes por falta de materiais do enxoval cirúrgico, pessoas que já estavam há dois, três dias na fila de espera, às vezes fazendo jejum quando chegava no momento da sua cirurgia era cancelada por falta dos enxovais, paciente fica sem lençol nos leitos”, relatou.

  • Foto: DivulgaçãoSituação do HUTSituação do HUT

“Já houve momentos em que a pessoa responsável pela lavanderia não aceitou a roupa da empresa terceirizada por que estava fedendo, parece que eles só receberam a roupa, dobraram e entregaram”, reclamou.

O servidor falou ainda da necessidade de contratar mais profissionais para o hospital. “O HUT está recebendo pacientes do Piauí, Maranhão, Ceará e Pará e a quantidade de funcionários é mínima, estamos trabalhando sobrecarregados, é preciso de mais enfermeiros e médicos e pessoas com consciência porque tem médico que é para entrar no plantão às 18 horas, chega 22 horas, bota o dedo, sai e volta de manhã para colocar o dedo, nem fica, vai para outro local, porque não tem quem fiscalize”, denunciou.

“Sem falar das infiltrações, sujeira, e isso é em todos os hospitais da rede municipal, está insustentável você trabalhar em um lugar onde o lençol fede à urina, vem sujo de fezes, sangue e o paciente fica a deus-dará”, disse indignado.

  • Foto: DivulgaçãoProtocola sobre a ausência de lençóisProtocolo sobre a ausência de lençóis

Quanto à diretora Clara Leal, o denunciante a acusou de assédio moral. “Às vezes nós vamos fazer uma reclamação e ela diz que a gente está levando fofoca, ela não escuta e fica por isso mesmo”, afirmou.

Outro lado

A assessoria de comunicação do HUT informou, através de nota, que o estoque de medicamentos e alimentos está normal.

Confira abaixo nota na íntegra:

A direção do HUT informa que no início de abril teve um problema pontual na entrega do enxoval por parte da empresa contratada. Atualmente, o fornecimento do enxoval está ocorrendo normalmente. Estoque de medicamentos e alimentos também está normal. Com relação à superlotação, o hospital permanece com a mesma média diária de pacientes, não houve aumento, entretanto está sendo feito um redimensionamento de pessoal para reforçar o atendimento nos setores mais críticos. As fotos apresentadas, mostrando goteiras no teto do hospital, são antigas. O problema já foi resolvido. Quanto ao assédio moral a diretora geral do HUT, Clara Leal, esclarece que está sempre disponível para conversar com todos os servidores e que, pelo contrário da denúncia, dá atenção a todos sem discriminação.

Mais conteúdo sobre: