São Julião - PI

TJ decide que José Francimar vai a Júri Popular pela morte de Emídio

Caso seja condenado, o ex-vice-prefeito de São Julião poderá pegar até 60 anos de prisão.

Gil Sobreira
Teresina
- atualizado

A 1ª Câmara Especializada Criminal do Tribunal de Justiça do Piauí julgou na manhã de hoje (23) o Recurso em Sentido Estrito interposto pela defesa do ex-vice-prefeito de São Julião, José Francimar Pereira, contra a sentença dada pela juíza Nilcimar Rodrigues de Araújo Carvalho, da 5ª Vara da Comarca de Picos, que o pronunciou por homicídio quadruplamente qualificado, sequestro e ocultação de cadáver, acusado de ser o mandante do assassinato do ex-vereador Emídio Reis.

Por unanimidade, a Câmara decidiu pelo não provimento do recurso.

Com a decisão, José Francimar Pereira será julgado pelo Tribunal Popular do Júri e caso seja condenado poderá pegar até 60 anos de prisão.

  • Foto: DivulgaçãoJosé Francimar e Emídio ReisJosé Francimar e Emídio Reis

O Recurso em Sentido Estrito é a impugnação voluntária contra decisões do juízo de primeiro grau, nas matérias especificadas no artigo 581, do Código de Processo Penal, dentre elas a sentença de pronúncia.

Entenda o caso

Emídio Reis foi assassinado porque ameaçava a estabilidade do grupo político liderado pelo então prefeito Zé Neci (PT) e seu vice, José Francimar Pereira (PP).

Logo após as eleições de 2012, a vítima protocolou denúncias contra os gestores na Justiça Eleitoral, Tribunal de Contas do Estado e Ministério Público Federal. Essas ações, se procedentes, poderiam custar os mandatos de Zé Neci e Francimar.

Os primeiros rumores de que a vida do ex-vereador estava ameaçada datam desse mesmo período. “Durante a investigação, várias testemunhas relataram, em sigilo, que Emídio estava sendo ameaçado”, afirmou o delegado Luccy Keyko Leal Paraíba, que presidiu o inquérito que investigou a morte do ex-vereador.

O delegado informou ainda que a morte do político foi decidida na propriedade Canas, zona rural de São Julião. O prefeito Zé Neci estaria presente, mas não participou ou testemunhou a negociação.

O vice-prefeito utilizou Joaquim Pereira Neto para intermediar o plano junto ao pistoleiro Antônio Sebastião de Sá, o Antônio Virgílio. Outros dois homens foram convocados para participar do crime: José Gildásio da Silva Brito e Válter Ricardo da Silva. Cada um deles receberia R$ 5 mil, totalizando R$ 15 mil.

O bando seguiu os passos de Emídio para conhecer sua rotina. Tramaram, inclusive, um encontro casual com a vítima em um restaurante na cidade de Picos.

Em 31 de janeiro, dia do crime, os criminosos acompanharam o carro do ex-vereador ao longo da BR-316. Emídio viajava de Picos para São Julião. Em certo ponto, Valter desembarca e pede a carona à vítima. Eles já se conheciam, por isso Reis não desconfiou de nada.

Os dois seguiram juntos até a estrada que dá acesso ao município de Alagoinhas, quando Válter pediu para descer. Naquele ponto, os outros membros do bando surpreenderam Emídio Reis. Rendido, a vítima foi levada em seu próprio carro até o local da execução, distante 120 km do local do sequestro.

Na propriedade rural Lajedo Preto, um local ermo, Emídio foi obrigado a descer do veículo. Em depoimento à Greco, Valtér contou que “o primeiro tiro foi logo para executar”. O delegado Menandro Pedro revelou que Antônio Virgílio disparou a uma distância de pouco mais de 30 centímetros da nuca do ex-vereador. O segundo disparo, afirma o policial, foi efetuado sem que os executores soubessem ao certo onde Emídio havia sido atingido, já que o local estava muito escuro. A bala perfurou a perna da vítima.

Os executores carregaram o corpo de Emídio por dez metros e cavaram a cova com as mãos e com o auxílio de um pedaço de madeira. “Por isso a cova ter ficado rasa”, disse o delegado Luccy Keyko Leal Paraiba.

Apesar de ter sido alvejado por dois tiros, Emídio Reis não morreu pelos ferimentos à bala. “Segundo o laudo cadavérico, a causa da morte da vítima foi asfixia, por ingestão de areia. Foi encontrada areia na traqueia da vítima. Ele, então, foi enterrado vivo”, afirmou o delegado Luccy Keiko Leal Paraíba.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

TJ decide na quarta se José Francimar vai a Júri pela morte de Emídio Reis

TJ vai julgar recurso do acusado de mandar matar Emídio Reis

Acusado pela morte de Emídio Reis pega 39 anos de cadeia

Mais conteúdo sobre: