Saúde

TJ nega pedido para suspender decisão que mandou Uespi formar médicos

Na decisão proferida ontem (07), o desembargador afirma que não vislumbrou grave lesão a qualquer dos bens jurídicos tutelados pela Lei 8.437/1992.

Gil Sobreira
Teresina
- atualizado

O presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, desembargador Sebastião Ribeiro Martins, negou pedido para suspender a liminar que concedeu o direito a 16 alunos do curso de Medicina da Universidade Estadual do Piauí (UESPI) se formarem, antes do previsto, para se inscreverem no Programa Mais Médicos devido a pandemia do coronavírus (covid-19).

Na decisão proferida ontem (07), o desembargador afirma que não vislumbrou grave lesão a qualquer dos bens jurídicos tutelados pela Lei 8.437/1992, que dispõe sobre a concessão de medidas cautelares contra atos do Poder Público.

  • Foto: Alef Leão/GP1Sebastião Ribeiro MartinsSebastião Ribeiro Martins

Diz que os autores pediram a antecipação do curso de medicina em 18 semanas, o que significaria que cada aluno deixaria de cursar 2 (dois ciclos) inteiros e mais duas semanas de um terceiro ciclo, referentes ao segundo ano do internato e que a Medida Provisória nº 934/2020 autoriza a instituição de educação superior abreviar a duração do curso de Medicina nas hipóteses de cumprimento de setenta e cinco por cento da carga horária do internato, o que se amolda ao caso.

“Em verdade, o que se verifica no caso em tela é que a manutenção da decisão de primeiro grau é medida que se impõe como forma de salvaguardar a saúde pública, extremamente ameaçada pela pandemia do coronavirus”, diz a decisão.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

TJ manda Uespi formar alunos de Enfermagem para combate a covid-19

UESPI oferece atendimento psicológico online durante pandemia de covid-19

Procuradoria quer suspensão da decisão que mandou Uespi formar médicos

Uespi forma alunos de Medicina para ajudar no combate ao coronavírus

Juíza manda Uespi formar 19 alunos de medicina para combater Covid-19