Teresina - PI

Wellington Dias abre 17ª Semana dos Povos Indígenas em Teresina

Wellington foi recebido com o ritual indígena Toré, que une dança, religião e luta. Segundo o IBGE, cerca de 6 mil pessoas se auto declararam indígenas.  

Andressa Martins
Teresina
Germana Chaves
Teresina
Natalia Lima
Teresina
- atualizado

Celebração em alusão ao Dia do Índio no Museu do Piauí

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), participou na manhã desta segunda-feira (15) da solenidade de abertura da 17ª Semana dos Povos Indígenas. A cerimônia aconteceu no Museu do Piauí e contou com a presença da vice-governadora Regina Sousa, do deputado federal Flávio Nogueira (PDT), deputado estadual Francisco Limma (PT), do secretário de Saúde Florentino Neto e de outras autoridades.

Wellington foi recebido com o ritual indígena Toré, que une dança, religião e luta. Na ocasião, Wellington participou do ritual e falou sobre a importância do reconhecimento das populações indígenas no estado. Segundo o IBGE, cerca de 6 mil pessoas se auto declararam indígenas.

“Temos escolas que já foram preparadas para a política da educação indígena, onde, além do português, buscaremos recuperar a língua original daquela comunidade. A cultura, a saúde, enfim, todas têm políticas adequadas, agora qual o passo que acho que precisamos dar é, de um lado é o reconhecimento da parte do poder central do Brasil, pois hoje a FUNAI não reconhece a presença de tribos indígenas no Piauí”, disse o governador.

Cartilha “No Piauí tem índio SIM”

“O Piauí tem índios sim e tem também tem a necessidade de ter este reconhecimento. Enquanto a FUNAI faz legalmente esse reconhecimento e da parte do estado, nós vamos dar agora um passo a mais com eles”, continuou Wellington.

Alepi

O governador também citou que o deputado Francisco Limma está coordenando um projeto voltado para a renda dos indígenas.

“Nosso líder está coordenando a aprovação de um projeto para que eles sejam também protetores da semente da origem, por exemplo, aquele milho original, aquele feijão original, ou seja, dar à população indígena, junto com a EMBRAPI, as condições da manutenção. Então, é uma data em que temos mais coisas para fazer do que comemorar”, contou.