Política

Wellington Dias será recebido pelo papa Francisco no Sínodo da Amazônia

Chefe do executivo estadual participará do último dia da reunião episcopal, no próximo domingo (27), e será recebido na segunda-feira (28) pelo Papa Francisco.

- atualizado

O governador Wellington Dias, em nome do Consórcio Nordeste, representará a região na Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a Região Pan Amazônica, celebrada na Basílica de São Pedro, no Vaticano. O chefe do executivo estadual participará do último dia da reunião episcopal, no próximo domingo (27), e será recebido na segunda-feira (28) pelo papa Francisco. A comitiva do governador será composta por ele, um ajudante de ordem e um assessor.

O Sínodo acontece desde o dia 6 de outubro, reunindo líderes católicos e governadores da Amazônia Legal, que discutem a situação da igreja na região amazônica e questões ligadas ao meio ambiente e aos povos indígenas. Convocado e presidido pelo papa, neste ano o evento tem como tema o Meio Ambiente – Mudanças Climáticas e a Amazônia.

No dia seguinte, após o encerramento da Assembleia do Sínodo, haverá um momento especial, quando Wellington Dias será recebido pelo Papa Francisco, tendo a oportunidade de tratar sobre os compromissos para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, a partir da representação dos estados do Nordeste.

“Estarei representando a região e o Piauí, defendendo o que é de nossas futuras gerações. O nosso estado é, fora da Amazônia, a região do Brasil que tem mais florestas naturais preservadas, possuindo ainda cinco grandes ecossistemas, como o Pré-Amazônia (do outro lado do Rio Parnaíba já é Amazônia Legal), cerrados, caatinga, que é a segunda maior área que contém os maiores parques de caatinga do Brasil, com destaque para o Parque Nacional da Serra da Capivara e Serra das Confusões – integrados; mata atlântica e semiárido”, pontua Dias.

Ainda segundo o governador, o estado se destaca mundialmente como primeiro Estado/Província a regulamentar o Acordo de Paris sobre os compromissos com a redução dos efeitos das mudanças climáticas e compromisso com Objetivos para Desenvolvimento Sustentável (ODS) 2030. “Temos essa preocupação com a preservação ambiental. O Piauí tem 32 parques com 3.200.000 hectares de preservação obrigatória pelo setor público e ainda há o programa Ativos Verdes, que prevê o desenvolvimento de ações pelos países signatários para diminuição da emissão de gases que provocam o efeito estufa”, disse Wellington.