Ciência e Tecnologia

WhatsApp lançará ferramenta de pagamento digital na Índia este ano

Hoje, aplicativo de mensagens é usado por 8 em cada 9 indianos conectados à internet; serviço surge após um ano de testes.

Por  Estadão Conteúdo
- atualizado

O WhatsApp lançará um serviço de pagamentos na Índia este ano, após mais de um ano em testes, disse o chefe global do serviço, Will Cathcart. A movimentação marca mais um passo da gigante de mensagens instantâneas do Facebook para entrar no crescente setor de pagamentos.

O WhatsApp é onipresente em toda a Índia, onde o consumo de dados está aumentando graças à internet barata, mas um lançamento completo do serviço de pagamentos foi atrasado em meio a mensagens falsas na plataforma que levaram a linchamentos e uma maior fiscalização do aplicativo pelo governo indiano, segundo a mídia local. Segundo a empresa, ela tem 400 milhões de usuários no país asiático, onde 450 milhões de pessoas têm acesso à internet.

O WhatsApp também está tentando cumprir com as regulamentações indianas, incluindo normas de armazenamento de dados que exigem que todos os dados relacionados a pagamentos sejam armazenados localmente. “É uma questão de aprovação regulatória na Índia neste momento”, disse o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, em teleconferência na quinta-feira, em referência ao WhatsApp Pay.

O recurso de pagamentos do WhatsApp irá competir com um mercado lotado na Índia, que inclui Google Pay, Paytm e PhonePe, do Walmart, todos sendo utilizados especialmente nas cidades, para pagar tudo, desde compras até corridas de Uber.

“Os serviços de pagamentos são essenciais para... trazer mais milhões de pessoas para a economia digital em rápido crescimento da Índia”, disse Will Cathcart, diretor global do WhatsApp, em Nova Delhi, na quinta-feira.

O WhatsApp usará o padrão da interface de pagamentos unificados (UPI) da Índia, utilizado por muitos outros serviços de pagamentos digitais - a UPI processou mais de 750 milhões de transações no mês passado, um aumento de cerca de 246 milhões na comparação com o ano anterior.

Mais conteúdo sobre: