Fechar
GP1

Santana do Piauí - Piauí

Homem é indiciado pelo assassinato de ex-companheira em Santana do Piauí

Jucilende Teresa de Sousa foi morta com 11 golpes de faca em uma residência no bairro Bomba.

A Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia da Mulher de Picos, concluiu o inquérito sobre o assassinato de Jucilende Teresa de Sousa, resultando no indiciamento do ex-companheiro da vítima, identificado como Maicon da Silva Lima, pelo crime de feminicídio. O crime ocorreu no dia 22 de junho, ocasião em que Jucilende foi morta com 11 golpes de faca em uma residência no bairro Bomba, situado na cidade de Santana do Piauí.

Ao GP1, a delegada Francineide Fontes relatou toda a dinâmica do crime, que foi executado interinamente por Maicon da Silva. Segundo ela, a investigação apontou que os dois mantiveram relacionamento por cerca de um ano, e estavam separados há um mês. Motivado por ciúmes e por não aceitar o fim da relação, Jucilende chegou a ser bastante agredida, e em seguida foi assassinada.

Foto: ReproduçãoJucilende Teresa de Sousa e Maicon da Silva Lima
Jucilende Teresa de Sousa e Maicon da Silva Lima

“No dia do fato, a vítima foi à cidade visitar um parente, e quando o ex-companheiro soube foi até o endereço e pegou o celular e a chave da motocicleta e levou para a casa dele, com o intuito de forçá-la a ir lá falar com ele. Quando ela chegou lá, os dois iniciaram uma discussão, e ele começou a agredi-la. A vítima conseguiu correr para a casa do vizinho, e o indiciado foi atrás dela. Nesse percurso, ele saiu puxando os cabelos dela”, informou a delegada.

Já na casa do vizinho, as agressões foram interrompidas pelo proprietário do imóvel, ocasião em que Maicon também foi expulso do local, e ficou esperando por Jucilende na calçada da residência. Ela permaneceu escondida com a presença do vizinho, entretanto, no momento que ele saiu da casa para pegar a chave da motocicleta da vítima, Maicon invadiu novamente o imóvel, ocasião em que retornou às agressões e assassinou a ex-companheira. Jocilende sofreu 11 perfurações de arma branca, sendo que quatro delas atravessaram seu corpo.


Conforme a delegada, a investigação também apontou que a intolerância religiosa por parte de Maicon também foi uma das motivações para o feminicídio. “Ele não aceitava o fato de ela ser adepta à uma religião. Inclusive, em entrevista preliminar na delegacia eu questionei o porque ele fez isso com a ex-companheira, e ele disse que tinha desferido as facadas para ver se o Deus dela iria livrá-la da morte. Ele disse isso de forma bem irônica, bem doentia”, frisou a delegada Francineide Fontes.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2024 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.