GP1

Piauí

Juiz marca audiência de pedreiro acusado de matar esposa em Teresina

As investigações apontam que o acusado, chegou por volta de 15h, do dia 1º de outubro de 2013, no bar onde a vítima estava e desferiu uma facada certeira na região do peito da vítima.

O juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto, da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri, da Comarca de Teresina, marcou para o dia 21 de novembro deste ano, o julgamento do pedreiro José Alves de Sousa Filho, acusado de assassinar sua esposa Gislaine da Silva Carvalho, 32 anos, com uma facada no peito em um bar do bairro Satélite, na zona leste da Capital em 2013.

O julgamento vai acontecer no auditório do Fórum Desembargador Joaquim de Sousa Neto, às 8h30. Após o crime, o acusado foi preso pela Polícia Militar no bairro Multirão, em Castelo do Piauí.

  • Foto: ReproduçãoCachola e Gislane da SilvaJosé Alves e Gislane da Silva

O suspeito ainda chegou a confessar o crime e disse de forma fria os motivos para ter assassinado sua esposa. “Só fiz o que fiz, por dois motivos. O primeiro foi porque ela se recusou a fazer comida para mim, pois estava morrendo de fome. E o segundo motivo, foi porque ela ficou chateando da minha cara, sorrindo na minha frente”, disse o acusado.

Crime

As investigações apontam que José Alves, chegou por volta de 15h, do dia 1º de outubro de 2013, no bar, onde Gislene estava bebendo na companhia de algumas amigas e desferiu uma facada certeira na região do peito da vítima.

Gislene chegou a ser socorrida por vizinhos, que a levaram para o hospital do bairro Satélite. No entanto, ela não resistiu aos ferimentos e morreu. O acusado vivia com Gislene há mais de seis anos. Eles não tinham filhos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pedreiro que matou esposa com facada no peito em Teresina foi preso em Castelo do Piauí

Mulher é esfaqueada dentro de casa e morre a caminho do hospital na zona leste de Teresina

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.