GP1

Piauí

Juíza nega pedido de prisão contra PM acusado de matar Rudson Vieira

Rudson Vieira foi baleado na noite do dia 1º de dezembro, durante um desentendimento com o policial, em um bar no Buenos Aires, zona norte de Teresina. E morreu seis dias depois do crime.

A juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, negou nesta terça-feira (07), o pedido de prisão feito pelo Ministério Público do Piauí (MP-PI) contra o policial militar Max Kellysson Marques Marreiros, acusado de matar o radiologista Rudson Vieira Batista da Silva.

Rudson Vieira foi baleado na noite do dia 1º de dezembro, durante um desentendimento com o policial Max Kellysson, em um bar no Buenos Aires, zona norte de Teresina, e morreu no sábado dia 07 de dezembro de 2019, no Hospital São Marcos, em Teresina.

  • Foto: DivulgaçãoRudson Vieira Batista da SilvaRudson Vieira Batista da Silva

Na decisão, a magistrada alegou que a prisão no curso da investigação policial ou no curso do processo só pode ser decretada para garantir eventual resultado útil, pressupondo, assim, referência expressa a elementos concretos que revelem ameaça à instrução criminal, risco à ordem pública ou à aplicação da Lei Penal, ou ainda, coação ou intimidação às testemunhas.

Para a juíza, o delegado e o promotor responsáveis pelo pedido de prisão alegaram a necessidade da medida para a garantia da ordem pública, ante a periculosidade do acusado ao meio social, e, ainda, porque se trata de fato de grande repercussão social. "Ocorre, entretanto, que a medida representada, não pode ser decretada com esteio em mera suposição de que o acusado representa perigo à ordem pública e menos ainda, pela repercussão social do caso, repercussão esta, que sequer restou evidenciada nos autos", diz trecho da decisão.

“A gravidade em abstrato do crime cuja autoria é atribuída ao acusado não basta para justificar, só por si, a privação cautelar da sua liberdade”, salientou a magistrada.

  • Foto: Reprodução/Facebook Max Kellysson Max Kellysson

Defesa da família da vítima

Ao GP1, o assistente de acusação Pablo Reinaldo afirmou que a família da vítima respeita a decisão, no entanto, reforça que o material colhido durante o inquérito policial é bastante robusto, quanto a responsabilidade do crime atribuída ao policial militar. "Tanto a denúncia quanto o inquérito policial são robustos em demonstrar que todos os requisitos caracterizadores da prisão cautelar encontram-se presentes nos autos, especialmente, a gravidade do crime praticado, homicídio qualificado, bem com a repercussão negativa na sociedade, fato este notório e amplamente divulgado nos veículos de imprensa", relatou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

MP é favorável a prisão do PM que atirou no radiologista Rudson Vieira

Juiz mantém liberdade de PM acusado de matar radiologista Rudson Vieira

Família pede preventiva de PM que atirou no radiologista Rudson Vieira

Família do radiologista Rudson Vieira cobra prisão de PM

Deputado Oliveira Neto lamenta morte de radiologista baleado por PM

Radiologista baleado por PM no Buenos Aires pode perder movimentos

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.