GP1

Piauí

Semcaspi e Fundação Wall Ferraz vão oferecer capacitação aos venezuelanos

Foram visitados os abrigos: CSU no Bairro Mocambinho e Piratinga, no Bairro Poti Velho, ambos localizados na zona Norte da capital.

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), visitou na manhã deste sábado (09), os abrigos onde estão os migrantes venezuelanos com o intuito de verificar as atuais condições de vida e as demandas das famílias. Foram visitados os abrigos: CSU no Bairro Mocambinho e Piratinga, no Bairro Poti Velho, ambos localizados na zona Norte da capital.

Na ocasião, foi firmada uma parceria entre a Semcaspi e a Fundação Wall Ferraz para a realização de oficinas de procedimentos estéticos, como cortes de cabelo e manicure.

Foto: Divulgação/AscomVisitas aos venezuelanos
Visitas aos venezuelanos

De acordo com a secretária da Semcaspi, Eliana Lago, dentre as principais demandas das famílias venezuelanas estão: melhorias na estrutura física dos abrigos, acesso às escolas para crianças e adolescentes, e ainda, incentivo aos adultos para trabalhos, como obtenção de renda.

“Estamos fazendo um levantamento das condições destas famílias, buscando diálogo a fim de compreender as reais necessidades, como forma de promover cidadania e dignidade. A ideia é viabilizar meios para que estas pessoas possam melhor viver na nossa capital, tirando elas da ociosidade. Inicialmente, vamos oferecer oficinas de capacitação profissional aos jovens e adultos, para que eles tenham um ofício”, esclareceu a secretária.

Foto: Divulgação/AscomSecretária Eliana Lago conversou com os venezuelanos
Secretária Eliana Lago conversou com os venezuelanos

Segundo o presidente da Fundação Wall Ferraz, Maycon Silva, a partir desta semana, serão iniciados os processos de mobilização para a instalação das oficinas nos abrigos de famílias venezuelanas.

“Nós identificamos a possibilidade da parceria entre a Fundação e a Semcaspi. E por meio do diálogo que realizamos com as famílias venezuelanas, foi pensado em uma oficina de cortes de cabelo e manicure. Para o momento, a oficina é mais viável de ser praticada e também possibilita um retorno mais rápido e prático”, pontuou o presidente da Fundação.

As famílias venezuelanas, que são indígenas da etnia Warao, chegaram em Teresina no dia 13 de maio de 2019, devido à crise econômica e política na Venezuela. Os três abrigos, juntos, possuem um total de 229 venezuelanos, dentre mulheres, homens e crianças.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.