GP1

Polícia

Escritório de advocacia é alvo de operação da PF por fraude previdenciária

Conforme a PF, até o momento foi identificado, um prejuízo de aproximadamente R$ 1,4 milhão.

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira (02), em Teresina, a operação “Falso Vínculo” e cumpriu dois mandados de busca e apreensão em um escritório de advocacia e em uma residência com o objetivo de reprimir crimes previdenciários. A ação contou com o apoio da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

De acordo com a PF, as investigações foram iniciadas ainda no ano de 2015, a partir de levantamentos de informações recebidas sobre atuação de um agenciador. A partir disso, os policiais conseguiram constatar um esquema criminoso no qual eram obtidos, mediante fraudes e simulações, laudos médicos e psiquiátricos que, em um primeiro momento, serviam para obtenção do benefício previdenciário de Auxílio Doença e, posteriormente, conversão em Aposentadoria por Invalidez.

  • Foto: Divulgação/PF-PIPolícia Federal fez buscas no escritório do agenciadorPolícia Federal fez buscas no escritório do agenciador

Os titulares desses benefícios, inclusive, o próprio agenciador, eram atendidos em hospitais psiquiátricos de Teresina, conseguindo declarações de internação ou de atendimento. Esses documentos eram posteriormente apresentados junto à Perícia Médica do INSS, objetivando a obtenção fraudulenta dos benefícios.

A Polícia Federal esteve na residência e local de trabalho do agenciador e estelionatário alvo da investigação. A ação desta manhã contou com a participação oito policiais federais.

  • Foto: Divulgação/PF-PIBuscas na residência do investigadoBuscas na residência do investigado

Prejuízo de mais de R$ 1 milhão

Ainda conforme a PF, até o momento foi identificado, com a concessão de nove benefícios indevidos, o prejuízo de aproximadamente R$ 1,4 milhão, dentre os quais, R$ 286 mil em quatro benefícios de Auxílio Doença para o próprio investigado.

Ele será indiciado pelos crimes de estelionato previdenciário e associação criminosa, cujas penas máximas acumuladas podem chegar a nove anos e oito meses de prisão.

O nome da operação vem do fato do investigado, para obtenção dos benefícios, criar falsos vínculos de trabalho para adquirir a condição de segurado junto ao INSS.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.