GP1

Polícia

Teresinenses ficam sem ônibus pelo segundo dia consecutivo

Motoristas, cobradores e demais funcionários do sistema iniciaram uma paralisação nessa segunda-feira (25), cobrando o pagamento do ticket.

Os usuários do transporte público de Teresina amanheceram nesta terça-feira (26) sem ônibus pelo segundo dia consecutivo. Motoristas, cobradores e demais funcionários do sistema iniciaram uma paralisação ainda nessa segunda-feira (25), cobrando o pagamento do ticket alimentação que não caiu na conta dos trabalhadores, desde o último dia 20 de janeiro e buscaram junta a Prefeitura de Teresina uma solução para o impasse.

Como forma de resolver a situação, o prefeito Dr. Pessoa se reuniu no final da manhã de ontem com quatro representantes da categoria, além da presidência do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut), onde ficou acertado que a Prefeitura de Teresina faria um repasse a patronal no valor de R$ 600 mil, a fim de atender aos motoristas e cobradores com a condição de que eles retornassem às atividades, fato que não ocorreu nessa segunda.

Foto: Alef Leão/GP1Motoristas e cobradores de ônibus paralisam atividades em Teresina
Motoristas e cobradores de ônibus paralisam atividades em Teresina

Hoje pela manhã, a classe trabalhadora voltou a cruzar os braços até que o pagamento do ticket alimentação seja depositado pelo Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina. Enquanto isso, os usuários amargaram mais um dia nas paradas de ônibus, tendo que recorrer a outros meios para chegar ao trabalho.

Prefeitura já fez repasse ao Setut

Durante a manhã de hoje, o secretário de finanças de Teresina, Robert Rios, afirmou que o repasse havia sido feito ainda nessa segunda e ressaltou que o valor será estornado, porque a categoria não cumpriu com o acordo e manteve a paralisação. “O repasse foi feito ainda ontem e eles continuaram em greve, eu vou pedir o estorno do dinheiro, a devolução, como eles continuaram na greve estou pedindo o estorno”, afirmou.

Entenda o caso

No final de outubro do ano passado, os motoristas e cobradores de ônibus paralisaram as atividades do transporte público de Teresina. No dia 3 de novembro, o então prefeito Firmino Filho apresentou proposta de garantir subsídio durante quatro meses para custear os tickets de alimentação e plano de saúde dos operadores do sistema de transporte público de Teresina.

No dia 5 de novembro, a categoria aceitou a proposta e encerrou a greve que durou 9 dias, com isso o pagamento dos benefícios, como ticket alimentação e plano de saúde dos trabalhadores referente a 4 meses ficaria sob responsabilidade da prefeitura.

Foram feitos os dois primeiros repasses em novembro, dezembro de 2020, mas em janeiro de 2021 o atraso no pagamento gerou um novo desgaste entre os motoristas que resolveram parar outra vez.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.