GP1

Polícia

Pai acusado de matar filho é preso pela segunda vez em Teresina

Francisco das Chagas Matias da Silva havia ganhado liberdade em dezembro de 2020, mas um novo mandado o colocou atrás das grades outra vez.

Um homem identificado como Francisco das Chagas Matias da Silva, acusado de matar o próprio filho a facadas em outubro de 2020, voltou a ser preso. Dessa vez, o mandado de prisão foi cumprido pelos policiais do 22º Distrito Policial na região da Grande Santa Maria da Codipi, zona norte de Teresina.

De acordo com o chefe de investigação do 22º DP, Erlon Viana, desde a semana passada os policiais estavam em busca de Francisco das Chagas em função de um novo mandado de prisão que foi expedido pela Justiça, logo após a família da vítima, Cristiano Sousa da Silva, 16 anos, ter entrado com um recurso contra a decisão que pôs em liberdade o acusado do crime em dezembro de 2020.

“Nós recebemos o mandado, saímos em diligências em vários endereços desde a semana passada e ele não tendo outra operação, na manhã de hoje, se apresentou no 22º DP na presença de um advogado”, pontuou Erlon Viana.

Francisco das Chagas Matias da Silva foi conduzido para o Instituto de Medicina Legal (IML) de Teresina e em seguida encaminhado para o sistema prisional.

Relembre o caso

Cristiano Sousa da Silva, de 16 anos, foi assassinado a facadas no início da noite de 24 de outubro no bairro Parque Wall Ferraz, zona norte de Teresina. O principal suspeito de cometer o crime é o próprio pai da vítima.

De acordo com o sargento José, do 13° Batalhão da Polícia Militar do Piauí, a vítima e o acusado começaram a discutir por algum motivo desconhecido e o acusado acabou esfaqueando o adolescente.

Após o crime, o suspeito identificado como Francisco das Chagas Mathias Silva, foi preso por uma equipe da Rocam e encaminhado para Central de Flagrantes de Teresina.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.