GP1

Polícia

Chefes de grupo criminoso do Ceará são presos em Cajueiro da Praia

Os acusados respondem por homicídios, roubos, furtos e crimes contra a administração pública.

Dois homens identificados como Helder dos Santos Frota, 30 anos e Rodrigo Viana da Silva, 25 anos, apontados como chefes de quadrilhas criminosas que atuam na cidade de Forquilha, no Ceará, foram presos nas primeiras horas neste sábado (10), pela Polícia Civil, no município de Cajueiro da Praia, no litoral do Estado do Piauí.

De acordo com a Polícia Civil do Ceará, durante as investigações, os acusados fugiram para a cidade de Cajueiro da Praia, onde continuavam dando ordens dentro do grupo criminoso. Além dos chefes, um comparsa da dupla foi preso com armas de entorpecentes.

A investigação apontou que Helder responde por tentativa de homicídio, roubo, furto e crime contra a administração pública. Ele é considerado como principal chefe do coletivo criminoso originário do Rio de Janeiro, que atuava em Forquilha e estava como foragido do sistema penitenciário do Ceará.

Segundo a Polícia Civil, Helder é suspeito de estar envolvido diretamente ou indiretamente em pelo menos três homicídios ocorridos em Forquilha neste ano. Todos os crimes estão relacionados à disputa territorial entre grupos rivais. O acusado também pode ser o responsável pela articulação e envio de armas de fogo e coletes para comparsas na cidade cearense.

Além de Helder, Rodrigo Viana da Silva é considerado segundo chefe do grupo em Forquilha, que já responde por homicídio e roubo. Contra ele existiam dois mandados de prisão preventiva em aberto por homicídio. Entre os crimes, está uma execução ocorrida em janeiro deste ano, quando a vítima foi morta enquanto participava do velório de um comparsa.

Com a prisão de Rodrigo, os quatro suspeitos de participação no crime foram identificados e presos.

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.