GP1

Política

TCE aceita recurso e aprova contas de Francisco Dogizete

Para o conselheiro Jackson Nobre Veras, as falhas que ficaram não são capazes de ensejarem a reprovação das contas, por isso ele decidiu pelo provimento do recurso.

O Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE-PI) decidiu aceitar um Recurso de Reconsideração do ex-prefeito de Simões, Francisco Dogizete Pereira, contra decisão que reprovou as contas de governo referente ao exercício financeiro de 2016. A decisão foi publicada no Diário Oficial do TCE de 17 de dezembro.

O TCE decidiu reprovar as contas de governo após ser constatado restos a pagar do poder executivo sem comprovação financeira, despesa de pessoal acima do limite legal, não envio de peças componentes das prestações de contas, abertura de créditos suplementares superior ao limite autorizado, entre outras coisas.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Tribunal de Contas do EstadoTribunal de Contas do Estado

No julgamento, o conselheiro Jackson Nobre Veras afirmou que o prefeito conseguiu sanar algumas falhas, como por exemplo, a que trata sobre a abertura de créditos sem autorização legal, onde ficou comprovada que havia a autorização legislativa, mas persistiu a falha referente a não ter sido dada publicidade a tais decretos.

Para o conselheiro Jackson Nobre Veras, as demais falhas que ficaram não são capazes de ensejarem a reprovação das contas, por isso ele decidiu pelo provimento do recurso, para modificar a decisão e aprovar as contas.

Participaram do julgamento os conselheiros Lilian de Almeida Veloso Nunes Martins, Joaquim Kennedy Nogueira Barros, Waltânia Maria Nogueira de Sousa Leal Alvarenga, Kleber Dantas Eulálio, Jaylson Fabianh Lopes Campelo, Delano Carneiro da Cunha Câmara, Jackson Nobre Veras e Alisson Felipe de Araújo, além do representante do Ministério Público de Contas, o Procurador-Geral Leandro Maciel do Nascimento.

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.