Mundo

Angela Merkel diz que formará novo governo e Schulz admite derrota

Merkel obterá seu quarto mandato seguido como chefe do governo alemão, se a vitória de concretizar.

RAISA BRITO

- atualizado

Angela Merkel, primeira-ministra alemã, afirmou que sua função agora é construir um novo governo. Ela se manifestou pela primeira vez, neste domingo (24), após uma pesquisa de boca de urna apontar uma vitória de seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU).

Merkel obterá seu quarto mandato seguido como chefe do governo alemão, se a vitória de concretizar. Ela é chanceler da Alemanha desde 2005, e já liderou três governos, dois dos quais de "Grande coalizão" com o Partido Social-Democrata (SPD).

  • Foto: Fabrizio Bensch/ReutersAngela MerkelAngela Merkel

Merkel fez as declarações diante dos partidários para comemorar os resultados. "A gente esperava mais, mas formarei o governo. É uma responsabilidade estar há 12 anos no governo, continuamos sendo a principal força política do país." A chanceler, entretanto, expressou preocupação com a chegada no Parlamento da Alternativa para a Alemanha (AfD). Salientou que "é necessário entender as razões desse ingresso".

"Temos que cuidar da Alemanha, temos que prestar atenção na justiça social, temos que trabalhar para uma União Europeia mais forte e temos que lidar também com a questão das migrações", declarou Merkel.

Segundo a pesquisa, divulgada pela rádio ARD, a CDU em aliança com o partido gêmeo da Bavaria União Cristão-Social (CSU), teria alcançado 32,5% dos votos, enquanto a SPD teria apenas 20% das preferências. Para os social-democratas são cinco pontos a menos em comparação com o resultado da última eleição, há 4 anos.

O partido liberal (FDP) teria alcançado 10,5%, o Partido Verde 9,5% e a extrema-esquerda do Die Linke 9%. Alternativa para a Alemanha (AfD), partido de extrema-direita, teria ficado em terceiro lugar, com 13,5% dos votos, entrando pela primeira vez no Bundestag, o Parlamento alemão.

Martin Schulz, representante da SPD, já admitiu a derrota, em discurso logo após a pesquisa ser divulgada: "Sim, perdemos. É um dia amargo para a Alemanha. A mensagem dos eleitores foi muito clara. Vamos sair da Grande Coalizão e passar para a oposição", declarou .

O líder dos social-democratas salientou também o "perigo" representado pela chegada do partido de extrema-direita, Alternativa para a Alemanha (AfD), no Parlamento alemão. "É algo que pode ser ameaçador, pode ser um perigo. Nenhum democrata pode olhar par aoutro lugar diante de algo assim em nosso país", afirmou o líder da SPD, Martin Schulz.

Na base das pesquisas de boca de urna o AfD teria ficado em terceiro lugar, com 13,5% dos votos, entrando pela primeira vez no Bundestag com aproximadamente 87 assentos.

"Qualquer governo seja formado, teremos que ter cuidado. Vamos lutar contra Merkel ou quem estiver no comando do governo ", acrescentou, ressaltando como" há novamente um partido de oposição hoje no Bundestag ".

"Seremos uma oposição razoável, mas para a Alemanha e para os alemães em primeiro lugar, cuidado com atenção com o que Angela Merkel fará", declarou a outra líder da AfD, Alice Weidel, em seu discurso após a divulgação dos resultados da pesquisa de boca de urna.

Mais conteúdo sobre: