Ciência e Tecnologia

Califórnia lança refrigerante à base de maconha para uso medicinal

Pacientes que possuem prescrição médica poderão contar com a nova forma da droga para tratamento médico.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

A Califórnia lançou bebidas com cannabis para uso medicinal. O produto já está disponível para usuários da droga no país e foi desenvolvido como uma opção pra quem não gosta da fumaça que o cigarro da erva produz, ou não quer consumir as calorias que acompanham os alimentos à base da maconha.

De acordo com informações doIG, os drinks podem ser tomados em forma de refrigerante ou água gaseificada que são fabricados com o tetra-hidrocarbinol (THC), a principal propriedade psicoativa da maconha. No entanto, somente pessoas que possuem prescrição da erva medicinal na Califórnia poderão ter acesso ao produto.

Para pacientes que estão sendo submetidos a tratamentos agressivos, beber a substância é supostamente mais fácil do que fumar ou comer. Segundo Michael Lewis, CEO da Sprig, empresa que fabrica a bebida, os produtos de sua companhia ajudam os pacientes com câncer que usam maconha para combater os efeitos colaterais da quimioterapia.

  • Foto: DivulgaçãoRefrigerante feito com maconhaRefrigerante feito com maconha

Ele disse que funciona para essas pessoas porque o consumo é mais fácil. "Eles gostam do produto porque é um líquido", afirmou, explicando que pode ser difícil para eles consumir alimentos sólidos. Lewis acrescentou que o produto também ajudou as pessoas a dormir.

Segundo Lewis, a substância contém duas propriedades principais que estimulam os endereços nervosos denominados endocannabinoides: THC e CBD. De uma forma simples, a CBD relaxa os músculos enquanto o THC induz uma resposta psicótica, a famosa “brisa”. Entre as doenças que há comprovação da eficácia da maconha em seus tratamentos, e que os pacientes californianos com prescrição médica poderão consumir a bebida estão o glaucoma, Aids, dores crônicas, náuseas provocadas pela quimioterapia, inflamações como úlceras, esclerose múltipla e epilepsia.

Mais conteúdo sobre:

MAIS NA WEB