Bizarro

Colégio pede para alunos se vestirem de ‘favelados do RJ’

Escola particular pediu desculpas e diz que ‘houve sério equívoco no bilhete enviado às famílias’.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

Um convite para uma festa de integração de uma escola particular de Itajaí, em Santa Catarina gerou polêmica nas redes sociais ao pedir aos pais que os alunos do 4º ano fossem caraterizados de “favelados do Rio de Janeiro”.

“Ficamos indignados com isso porque sempre lutamos contra o preconceito. Faço um trabalho com a cultura hip-hop há 20 anos e ensinamos dentro de casa a não ter nenhum tipo de preconceito”, Willian Domingues, pai de um dos alunos do Colégio Fayal. De acordo com o G1, a escola pediu desculpas e falou em "sério equívoco no bilhete enviado às famílias".

O filho explicou ao pai, que a turma foi dividida em duas classes sociais para uma festa de integração da escola. “De um lado os favelados do Rio de Janeiro, que iriam de bermuda, chinelo, óculos escuros e boné, e a outra metade, vestida como médicos, advogados e empresários, para representar a outra parte da cidade”, explicou Willian.

  • Foto: Willian DominguesEscola pede para alunos se fantasiarem de favelados do Rio de JaneiroEscola pede para alunos se fantasiarem de favelados do Rio de Janeiro

Em resposta, a direção da escola informou que a festa de integração ocorre anualmente e neste ano o tema é Cidadania Solidária. Segundo a escola, o que ocorreu foi um equívoco na escolha das palavras. Em comunicado na internet, a escola pediu desculpas e disse que a intenção não era criar estereótipos e “sim expor movimentos de cidadania”.

“Pois ainda que possamos ter explicações, reconhecemos a inadequação de uma frase descontextualizada. Nosso espírito educacional é sempre na intenção de realizar ações que possam somar com a comunidade. Houve um sério equívoco no bilhete enviado às famílias dos quartos anos e que separado do contexto a que pertencia tornou-se inaceitável”, informa a escola.

Na nota, a escola ainda coloca que não aceita "racismo, xenofobia, homofobia ou qualquer intolerância de classes. Convidamos a todos para acompanharem o nosso trabalho que sempre privilegiou os valores e reafirmar que repudiamos toda e qualquer forma de exclusão. Contamos com a compreensão nesse momento e as providências internas já foram tomadas. Por isso estamos indo além do pedido de desculpas. Assumimos aqui um compromisso público de sermos cada vez mais intolerantes e intransigentes nesse sentido. Enfrentaremos esse momento com humildade e o superaremos, fica o aprendizado”.

Mais conteúdo sobre:

MAIS LIDAS