Ciência e Tecnologia

Nobel de Química vai para trio que estudou sobre vírus da zika

Jacques Dobochet, Joaquim Frank e Richard Henderson melhoraram tecnologia do crio-microscópio e revolucionaram a observação de biomoléculas.

NAYRANA MEIRELES

- atualizado

O prêmio Nobel de Química de 2017 foi para o trio Jacques Dubochet, Joachim Frank e Richard Henderson por uma série de melhorias em dispositivo que revolucionou a observação de biomoléculas. O prêmio foi anunciado nesta quarta-feira (04), na Suécia.

Os três cientistas, um suíço, um alemão e um escocês, respectivamente, vão dividir 9 milhões de coroas suecas, o que equivale a aproximadamente 3,5 milhões de reais. A partir das inovações desenvolvidas pelos pesquisadores, o crio-microscópio eletrônico passou a observar a estrutura de biomoléculas em meio aquoso.

  • Foto: DivulgaçãoVencedores do prêmio Nobel de Química 2017Vencedores do prêmio Nobel de Química 2017

De acordo com informações do G1, os cientistas podem, na prática, congelar biomoléculas e observar processos químicos antes não visíveis. Agora, além da observação de moléculas vivas, os processos pelos quais elas passam podem ser observados e, portanto, compreendidos.

"Agora, podemos ver os detalhes de todos os pontos de nossas células, podemos observar cada gota de nossos fluidos corporais. Nós podemos entender como são construídos, como agem e como trabalham juntos. Estamos presenciando uma revolução na bioquímica", diz Sara Snogerup Linse, membro do Comitê Nobel.

Mais conteúdo sobre: