GP1

Brasil

Mandetta agradece equipe e deseja êxito a sucessor como ministro

Mandetta agradeceu a oportunidade de poder ser gerente do Sistema Único de Saúde (SUS), de realizar o plano de enfrentamento do novo coronavírus e alertou para o desafio que o país vai passar

O já ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-RS), demitido nesta quinta-feira (16) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), utilizou seu perfil no Twitter para se despedir do cargo e desejar êxito ao seu sucessor, o oncologista Nelson Teich.

Mandetta agradeceu a oportunidade de poder ser gerente do Sistema Único de Saúde (SUS), de realizar o plano de enfrentamento do novo coronavírus (Covid-19) e alertou para o desafio que o país vai passar durante o pico da pandemia.

“Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, disse.

Demissão

Após semanas de desavenças, o presidente Jair Bolsonaro exonerou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, nesta quinta-feira. Teich se reuniu com o presidente pela manhã, quando, segundo interlocutores do presidente, causou boa impressão. O médico foi consultor da área de saúde na campanha de Jair Bolsonaro, em 2018, e é fundador do Instituto COI, que realiza pesquisas sobre câncer.

Teich teve o apoio da classe médica e contou a seu favor a boa relação com empresários do setor da saúde. O argumento pró-Teich no Ministério da Saúde é o de que ele trará dados para destravar debates “politizados” sobre a covid-19.

Em artigo publicado no dia 3 de abril em sua página no LinkedIn, o escolhido para a Saúde critica a discussão polarizada entre a saúde e a economia. “Esse tipo de problema é desastroso porque trata estratégias complementares e sinérgicas como se fossem antagônicas. A situação foi conduzida de uma forma inadequada, como se tivéssemos que fazer escolhas entre pessoas e dinheiro, entre pacientes e empresas, entre o bem e o mal”, afirma ele no texto.

Desde o início da crise do coronavírus, Mandetta e presidente vinham se desentendendo sobre a melhor estratégia de combate à doença. Enquanto Bolsonaro defende flexibilizar medidas como fechamento de escolas e do comércio para mitigar os efeitos na economia do País, permitindo que jovens voltem ao trabalho, o agora ex-ministro manteve a orientação da pasta para as pessoas ficarem em casa. A recomendação do titular da Saúde segue o que dizem especialistas e a Organização Mundial de Saúde (OMS), que consideram o isolamento social a forma mais eficaz de se evitar a propagação do vírus.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Presidente Jair Bolsonaro exonera Mandetta do Ministério da Saúde

Maioria rejeita saída de Mandetta do Ministério da Saúde, diz pesquisa

Mais conteúdo sobre:

Ver todos os comentários   | 0 |

Facebook
 
© 2007-2021 GP1 - Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GP1.